Angola, Brasil e Moçambique com maior número de "escravos modernos"

Angola, Brasil e Moçambique  com maior número de

Segundo o relatório da fundação australiana Walk Free apresentado nesta quinta-feira pelas Nações Unidas, 720.000 pessoas que vivem em Angola, Brasil e Moçambique são ” escravos modernos”.

O relatório, denominado "Índice de Escravatura Global 2018" e que analisou 167 países, estima que o Brasil tenha 369.000 "escravos modernos", seguindo-se Angola com 199.000 e Moçambique com 152.000, segundo notícia a LUSA.

Na classificação dos países lusófonos seguem-se Portugal, com 26.000, Guiné-Bissau, com 13.000, Timor-Leste, com 10.000, Guiné Equatorial, com 7.000 e Cabo Verde, com 2.000 "escravos modernos". No contexto do relatório, a "escravatura moderna” inclui trabalho forçado, servidão por dívida, casamento forçado, tráfico de seres humanos, escravidão e práticas semelhantes à escravidão.

Existem no mundo cerca de 40,3 milhões de escravos modernos, dos quais dois terços foram identificados na região da Ásia-Pacífico. Muitos dos produtos produzidos na região Ásia-Pacífico. Só na Índia (7,99 milhões de indivíduos estimados), China (3,86 milhões), Paquistão (3,19 milhões), Coreia do Norte (2,64 milhões), Nigéria (1,39 milhões), Irão (1,29 milhões), Indonésia (1,22 milhões) e República Democrática do Congo (1,05 milhões) são os oito países com acima de um milhão de "escravos", embora tal facto possa resultar de serem dos países mais populosos do mundo.


Contactos

Tef: +258 21 313517/8

Email: opais@soico.co.mz
Local: Rua Timor Leste, 108 Baixa
Maputo- Moçambique