CIP diz que má gestão leva a défice de medicamento nos hospitais

CIP diz que má gestão leva a défice de medicamento nos hospitais

Relatório do Centro de Integridade Pública (CIP) conclui que a falta de comunicação e má gestão são as principais razões que levam ao défice de medicamentos nos hospitais e farmácias públicas. Entretanto, o Ministério da Saúde questiona os métodos usados para o estudo.

Intitulado “A falta de medicamentos está também associada à precariedade no funcionamento da logística farmacêutica no sistema público de saúde”, o relatório do Centro de Integridade Pública revela que os medicamentos são conservados em locais impróprios nos armazéns distritais.

O mesmo documento, apresentado esta terça-feira em Maputo pelo pesquisador Jorge Matine, avança haver discrepâncias entre as quantidades de medicamentos solicitadas e as que são fornecidas.

Na hora do debate, participantes disseram não entender a ruptura frequente do stock de medicamentos nos hospitais e farmácias públicas, sendo que os mesmos fármacos estão sempre disponíveis nas farmácias privadas. As reclamações da sociedade civil estenderam-se até aos serviços prestados pelo Hospital Central de Maputo.

O director da Central de medicamentos admite algumas fragilidades na gestão de fármacos, entretanto questiona o facto de a pesquisa ter sido realizada em poucos dias. Aliás, diz que os responsáveis da saúde nos distritos onde foi realizado o estudo, não reconhecem as constatações do relatório.

A pesquisa sobre o fornecimento de medicamentos foi realizada de 20 de Setembro a 6 de Outubro de 2017, abrangendo distritos das províncias de Sofala, Zambézia e Nampula.

 


Contactos

Tef: +258 21 313517/8

Email: opais@soico.co.mz
Local: Rua Timor Leste, 108 Baixa
Maputo- Moçambique