COVID-19: Porque o governo não bloqueia Cabo Delgado?

O Estado de Emergência de 30 dias decreto, em finais de Março, pelo Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, está a chegar ao fim. Ainda que seja preliminar, o balanço não me parece positivo, olhando para os números, aliados àquilo que era o objectivo principal da medida: evitar a propagação do coronavirus no território nacional.

Quando entrou em vigor, a 1 de Abril, o país só tinha 10 casos, sendo oito importados e dois de contaminação interna. Hoje, estamos a falar de 39 pessoas infectadas. Os casos importados não evoluiram, mas a outra linha, a de infecções locais, a mais perigosa porque significa a ramificação ou a expansão da doença dentro do país, cresceu de dois para 31 casos.

Para quem olha para estes números e compara-os com dos outros países da região, como é o caso da África do Sul e de outros, pode dizer que estamos bem, que não há motivos de alarme. Mas se prestarmos atenção, vamos verificar que antes era só a cidade de Maputo, mas agora o virus chegou à província de Maputo, cidade nortenha de Pemba e Afungi, na província de Cabo Delgado.

O outro detalhe muito importante deste balanço é que, de repente, o epicentro de coronavirus passou de Maputo, no sul, para Cabo Delgado, no norte do país. Estes pormenores são, em si, preocupantes. Significa que em três semanas o vírus atingiu mais três novas regiões do país. Só o caso Afungi já levou ao registo de 29 positivos.

A julgar pelo mapa das diferentes linhas de contacto estabelecidas pelas equipas da saúde na sequência da investigação em curso em Cabo Delgado depois da descoberta do primeiro caso, nada me surpreenderia que nas próximas actualizações de dados o Ministério da Saúde anunciasse o alastramento do vírus para novas zonas do país.    

Antes de chegarmos às cadeias de contaminações comunitárias (até agora são esporádicas) e passarmos a números assustadores, porque é que não se isola Cabo Delgado? De quê o governo está à espera para agir? Os novos casos notificados nos últimos dias pelo MISA, têm como origem aquela província. Há o risco de alguns positivos, ainda não identificados e sem sintomatologia, poderem movimentar-se para outros distritos ou províncias, transportando consigo o virus.

Aliás, o MISAU confirma que alguns trabalhadores do acampamento de Afungi sairam antes da descoberta do primeiro caso naquele local. Se um deles estiver infectado pode estar a espalhar o vírus pela província de Cabo Delgado e não só.

A outra questão é que dos 29 positivos relacionados com a investigação em Cabo Delgado, três são casos não profissionais ou seja de pessoas que nunca estiveram em Afungi e que se infectaram através de um contacto com um trabalhador positivo daquele acampamento da TOTAL.

Estes pormenores reforçam a opinião de que se deve bloquear Cabo Delgado. Todo o cuidado é pouco. É preciso cortar, por alguns dias, as ligações rodoviárias, ferroviárias e aéreas entre Pemba e o resto da provincia e com outras capitais provinciais. É preciso também suspender a comunicação inter-distrital e fazer uma vigilância clínica ou testagem em grande escala nos bairros de Pemba e em Afungi só para termos a certeza da situação.

Em caso de viagem forçada, obrigar que todos que vêm de Cabo Delgado fiquem em quarentena no destina, sem excepção. Sei que são medidas duras, impopulares e susceptíveis de críticas. Sei que vão afectar as trocas comerciais entre as populações, mas esta é a única via que existe para controlar os movimentos das pessoas e suster a propagação de coronavirus a nível da província e no país em geral.  

Sei que muitos vão olhar para a decisão como sendo um exagero ou excesso de zelo da parte do governo, mas este é o caminho certo para evitar, tão sedo, que pessoas infectadas, não descobertas e sem sintomatologias, continuem a viajar pelo país e a espalhar o vírus.

Angola está nesta direcção. Estabeleceu uma cerca sanitária em que durante a vigência qualquer angolano que se movimentar de uma província para a outra é obrigado a ficar em quarentena domiciliária no destino.

Em caso de resistência, teria de cumprir a institucional. Talvez por isso que a situação de coronavirus naquela país está estacionário. Há mais de uma semana que não se registam novos casos.

Os chineses também fizeram o mesmo que estou a propor aqui e algo mais. Tomaram medidas de choque. Para começar, bloquearam cidades que estavam no centro da covid-19, limitando as entradas e as saidas das pessoas.

O uso da máscara no dia a dia passou a ser obrigatório para todos e a observância dessa medida era fiscalizada através de drones doptadas de alto-falante que aconselhavam a quem não tivesse a voltar para casa.

Suspenderam todas as ligações aéreas, rodoviárias e ferroviárias entre as cidades com casos de infecções e outras. Os chineses tinham que se inscrever antes de sairem ou entrarem numa localidade.

Como uma medida de prevenção, o banco central instruiu aos bancos comerciais para desinfectarem as notas yuan com luz ultra-violeta e em altas temperaturas. Depois disso ficaram armazenados durante uma ou duas semanas antes de serem colocadas de volta em circulação.

O dinheiro proveniente de áreas de alto risco de contaminação, como é o caso dos hospitais, era canalizado directamente ao banco central para a sua destruição. Em compensação, a instituição libertou grandes quantidades de dinheiro novo.

À partida, esta medida foi mal vista por alguns círculos de opinião como um exagero da parte do governo de Xi Xinping, mas, parecendo que não, a mega operação teve um peso significativo no combate ao virus.

Sendo que o coronavirus pode sobreviver por algum tempo no papel, o dinheiro, que passa de mão em mão, pode ser um vector para a fácil e rápida propagação da doença.

Se nós não estamos em condições de fazer este tipo de intervenção, pelo menos que lavemos as mãos várias vezes ao dia, principalmente aqueles cuja actividade obrigue ao manuseamento sistemático do dinheiro: funcionários bancários, vendedores de mercados e ambulantes, os caixas dos supermercados, restaurantes e de outros sectores.

Uma outra decisão chinesa que mereceu críticas internas e externas foi a proibição da venda no país de medicamento para combater a tosse e a febre. O objectivo era evitar a automedicação e incentivar as pessoas a procurarem o tratamento numa unidade sanitária.

Foi, sem dúvida, uma medida de risco e ousada, mas o governo chinês foi em frente porque queria garantir que todo o mundo com febre e tosse fosse aos hospitais para a testagem. É um facto que um ser humano, quando tem algum problema de saúde, prefere, primeiro, fazer uma automedicação. O hospital é relegado ao terceiro plano e fica como uma alternativa em caso de persistência da doença.

A outra medida do governo do Partido Comunista chinês, talvez a que deu mais trabalho, foi a de destacar equipas que andaram de casa em casa para ver se as pessoas tinham febre. As que apresentavam sintomas eram recolhidas em autocarros para alguns estádios e outros sítios para a quarentena.

No mínimo, esta operação exige investimento em recursos humanos, mas acho exequível entre nós. A Cruz Vermelha de Moçambique, os Escuteiros, voluntários, as equpas do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e outros podem reforçar esses grupos de trabalho.

Foram estas as armas principais que a China usou para enfrentar e derrotar o coronavirus. Foi uma guerra que durou cerca de três meses de restrições severas. Quase tudo fechou e a economia chinesa parou para reduzir o movimento das pessoas na via pública e permitir melhor controlo.

Por termos sido dos últimos a lidar com a situação de coronavirus, estamos numa posição privilegiada de podermos contar com as experiências dos outros países que foram os primeiros a serem infectados pelo virus e podermos tomar medidas certas, na hora certa e implementá-las no devido momento para a prevenção da doença.

 


Contactos

Tef: +258 21 313517/8

Email: opais@soico.co.mz
Local: Rua Timor Leste, 108 Baixa
Maputo- Moçambique