O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
21 de Julho
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início

INAE manda encerrar padaria de Macurungo

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Famílias residentes no Macurungo chegam a percorrer mais de meio quilómetro em busca de pão

A Inspecção Nacional de Actividades Económicas (INAE) ordenou o encerramento da padaria do Macurungo, no âmbito da fiscalização das condições de funcionamento de estabelecimentos do género, entre outros, visando a salvaguarda da saúde pública.

A medida foi tomada no dia 1 de Março corrente, esperando-se que, a qualquer momento, possa reabrir as portas, depois de nova inspecção, a fim de verificar se as anomalias que estão na origem do encerramento já foram ultrapassadas.

Em consequência do encerramento da padaria, as famílias residentes no Macurungo chegam a percorrer mais de meio quilómetro em busca de pão, pois os estabelecimentos relativamente mais próximos estão em Matacuane (padaria Chuabo) e próximo de Lunamar (Estoril).

Apesar de não ter padaria perto, cidadãos entrevistados pelo “DM” louvaram o trabalho que tem vindo a ser desenvolvimento pela INAE e encorajam-na a dedicar mais esforços no sentido de salvaguardar a vida dos consumidores.

“O vestuário dos padeiros andava sujo e os consumidores conseguiam notar. Por isso valeu a pena terem feito inspecção, apesar de estarmos a comprar o pão longe. Acredito que os proprietários vão melhorar ”, disse um dos entrevistados.

A fonte precisou que gostaria que a INAE inspeccionasse todos estabelecimentos comerciais com maior frequência, para que não aconteça os que vê em restaurantes, pastelarias e padarias.

“Os proprietários desses estabelecimentos devem pensar que o pão vai directamente para o consumo, daí a necessidade de ter cuidado máximo, para a salvaguarda da saúde pública”, acrescentou citado pelo “DM”.


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo