O País Online - A verdade como notícia

Sábado
23 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início

Unitaid investe 50 milhões de dólares para combater malária

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Mais de 35 milhões de mulheres grávidas estão expostas ao risco de contrair malária

A organização do ramo da saúde denominada Innovation in Global Health (Unitaid), com sede em Genebra, Suíça, apresentou, ontem, em Maputo, ao primeiro-ministro, Carlos Agostinho do Rosário, um programa piloto de prevenção da malária para mulheres grávidas. A iniciativa, que vai abranger quatro países africanos, está orçada em 50 milhões de dólares.

Sanne Fournier, representante da organização, disse à imprensa que o encontro com o primeiro-ministro serviu para formalizar o lançamento do novo programa de luta contra a malária, que consiste no tratamento preventivo para mulheres em estado de gravidez.

O projecto, cujo arranque está previsto para o mês de Outubro, terá a duração de três anos, abrangendo, na fase piloto, as províncias de Nampula, Sofala e Maputo.

Refira-se que este é um projecto piloto em África e pretende-se replicar a iniciativa noutros países do continente. Segundo o nosso interlocutor, o projecto denominado Tip - Top não envolve custos elevados, mas os seus métodos são efectivos.

De acordo com dados apresentados na ocasião, em África, mais de 35 milhões de mulheres grávidas estão expostas ao risco de contrair a malária, sendo que o tratamento preventivo é uma prioridade e Moçambique foi escolhido para liderar o projecto, que investirá um total de 50 milhões de dólares em quatro países.

A escolha de Moçambique para o arranque da iniciativa deve-se, segundo Sanne Fournier-Wendes, à liderança política do país, uma vez que, segundo disse, neste tipo de projecto, é determinante que o ministério da saúde seja muito forte e bastante convencido sobre as intervenções a fazer. E Moçambique, desde o primeiro momento, respondeu afirmativamente relativamente à importância deste projecto nas comunidades.

Dados actuais indicam a redução do número de óbitos, entretanto, o Governo continua preocupado com o facto de, nos primeiros três meses do ano, Moçambique ter registado 2 281 635 casos de malária, contra 1 873 303 de igual período de 2016.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo