O País Online - A verdade como notícia

Sábado
23 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início

Nelson Santos preocupado com “título encomendado”

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Treinador do Costa do Sol apela instituições que gerem futebol a protegerem a modalidade para que se tenha um campeão justo

O técnico dos Costa do Sol, Nelson Santos, diz estar preocupado com as declarações de Artur Semedo segundo as quais o título de campeão nacional de futebol desta temporada “foi encomendado desde o ano passado”. Foram declarações proferidas por Artur Semedo, treinador do Clube de Chibuto, no final do jogo do último sábado, em que a sua equipa perdeu, no Estádio Nacional do Zimpeto, diante do Maxaquene, por duas bolas sem resposta. Na ocasião, Semedo disse que “teremos um campeão que sabe se lá como foi campeão”, reiterando que “já estava projectado desde a época passada quando estive em Songo, este campeão deste ano”, com toda convicção da veracidade das suas palavras.

 

Estas declarações de Artur Semedo tiveram eco no ninho do “canário”, que de pronto reagiu, através do seu treinador, que disse estar “preocupado”, pois que Artur Semedo “não diz as coisas por dizer” e quando o diz é sempre “com factos” e contra factos não há argumentos.

 

Para o técnico canarinho, as declarações de Semedo encontram fundamento lógico, mas à sua equipa só interessa fazer um jogo limpo nas quatro linhas. “Nós, o Costa do Sol, queremos ganhar mas queremos com honestidade e lealdade e com argumentos que temos. Por isso apelo atenção de todos os intervenientes neste jogo. Se nós tivermos que perder o campeonato, que seja no campo porque não fomos superiores e se a União Desportiva de Songo vencer, que seja em campo e não com ajuda de outros argumentos que não posso aqui dizer”, disse Santos, para quem o mais preocupante é a forma como a União Desportiva de Songo tem vencido os seus jogos, “a tangente e nos últimos 15 minutos”.

 

É daí que deixa um recado às instituições que gerem o futebol moçambicano, nomeadamente a Liga Moçambicana de Futebol, a Federação Moçambicana de Futebol, a Comissão Nacional de Árbitros de Futebol e outras: “que protejam o futebol para que tenhamos um campeão justo, aquele que ganha dentro das quatro linhas, aquele que é superior do primeiro ao último minuto”. E acrescenta: “se a União Desportiva de Songo quer ser campeã, que seja por mérito próprio e não com ajudas e apoios exteriores porque nós se estamos onde estamos é por mérito próprio. Queremos ganhar, mas com honestidade e lealdade”.

 

Ir a Songo à busca de pontos

Facto mesmo é que os “canarinhos” vão a Songo à procura de um resultado que lhes possibilite sonhar com o título e um bom resultado para Nelson Santos é “não perder pontos. E se não der para ganhar, também que não haja espaço para perder”. Afinal “se não conseguirmos ganhar no Songo, a tarefa (de lutar pelo título) fica muito difícil, não impossível, mas se nós ganharmos a passadeira fica estendida para nós”. Para isso conta com uma equipa motivada e super confiante e que “garante um sonho tranquilo”, pois não há “fantasmas” no ninho do “canário”.

 

Quem também defendeu os argumentos do treinador foi Isac de Carvalho, terceiro posicionado na lista dos melhores marcadores, com 12 golos, que defende que será um jogo entre duas grandes equipas e que “pode catapultar a equipa que ganhar, pois sai moralizada”, mas “nós queremos sair com os três pontos lá”.

O Costa do Sol está a cinco pontos da União Desportiva de Songo, quando falta por disputar quatro jornadas para o fim da prova, mas conta com menos um jogo. O calendário “canarinho”, que inicia em Songo, vai prosseguir com a recepção ao Clube de Chibuto, uma deslocação à Nacala, para defrontar o Ferroviário local e termina com os “trabalhadores” de Quelimane, em Maputo.

 

Já a União Desportiva de Songo, que recebe o Costa do Sol, domingo, terá depois a recepção ao Textáfrica do Chimoio, uma visita a Chibuto, para defrontar a equipa de Artur Semedo, terminando com o Ferroviário de Nacala, em casa.

 

 


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo