O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
23 de Junho
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Cultura Cultura Uma vida chamada serpente

Uma vida chamada serpente

 

 

 

Movido por uma inexplicável paixão por serpentes, Rafo Diaz direcciona as suas atenções ao que descobriu ser o ponto final da sua arte. Em exposição que exalta o misterioso mundo dos répteis, o pintor peruano exprime a sua empolgante visão pela “serpente gigante”.

O fascínio que Rafo Diaz tem pelas serpentes fê-lo experimentar duas vidas em terra. Tudo começa quando o artista toma “ayahuasca” - uma infusão vegetal psicoactiva da Amazônia -, e explica que “tive uma sensação de sonho real: a certeza de ter dois corpos, vê-los e tocá-los. O que mais recordo são imagens, cores e o desdobramento. Dois corpos meus que atingiam um instante. Aceito, no entanto, que se tratava de mim e que estava ao lado do Xamã, o meu maestro, e recebia a sua voz de dois lugares, duas existências, duas identidades, duas memórias que, alheias, me soavam familiares.

“Afundei-me num sonho sem consciência, o mesmo que nas águas de um lago proibido. já com a cara sob a água, afundando-me por fim nesse lago que era riacho, consegui abrir os olhos e me vi... outra vez acordando”, diz.

Será a sua nacionalidade que o transformou num homem diferente? Talvez não fosse diferente, se considerarmos que quem vive nos arredores da Amazônia está sujeito a envolver-se na magia daquela floresta.

Amazônia fez de Rafo um homem apaixonado pelas serpentes. É como se tivesse estudado a sua filosofia, como se tivesse descoberto algo novo para o conhecimento do homem. Rafo mostra conhecer as serpentes como ninguém e faz uma ligação destas ao sentido da vida. “Se morde, a sua cauda significa união eterna, ainda que mora na terra, é também o senhor das águas, desliza com o movimento de uma onda, ou ascende pelos ramos das árvores, pendurando-se neles como uma fruta mortal”.

As suas pinturas e as suas viagens pelo mundo das serpentes mexem com a “estrutura” de alguns críticos. Joseph Conrado, crítico e professor de história da Arte em Miami, é um dos que tenta perceber Rafo Diaz. Diz que o pintor “faz da intuição a sua capacidade de marcar com linhas e cores a sua tendência, o seu afazer estético que dilui fronteiras e se estabelece numa contemporaneidade fundamentada na tradição, rito e religião”. 

Rafo Diaz, que está em constante investigação de tudo o que envolve a serpente, não quer que o seu apego por este animal viva somente em si. O artista quer convidar os outros a “provarem do mesmo vinho”, daí estar a expor “Jibóia Gigante” no Centro Cultural Brasil-Moçambique. O artista revela que “Eu, das serpentes grandes não só tenho admiração por todo o misticismo e mistério que as rodeiam, como também pelo gosto dos padrões, dos desenhos das suas peles. Estas marcas, cores e formas extraordinárias levaram-me a descobrir e a ter uma visão diferente da minha própria arte, levando-me a mudar o estilo das minhas criações e a uma reflexão profunda sobre as minhas propostas artísticas, razões pelas quais eu, pessoalmente, sinto imensa gratidão pelas serpentes gigantes”.

Anastasio Lovo, poeta, novelista e crítico de literatura e arte, diz que Rafo Diaz possui um singular uso de gradações de cores cálidas, axacerbadas até à fosforescência, para conotar a transformação de uma realidade banal numa realidade alucinante.

Diaz parece ter encontrado na serpente o sentido último da sua arte. “Não só tenho admiração por todo o misticismo e mistério que rodeia as serpentes, como também pelos variados padrões e desenhos das suas peles. Esses padrões com cores e formas extraordinárias levaram-me a descobrir uma visão diferente da minha própria arte”.

As anteriores exposições - “O ritual e o mundano”, “Alma, coração e Vida”, “Visões”, “Do amor seus demónios”, “A consciência da dor”, “Serpente cósmica” - mostram o envolvimento de Rafo Diaz com as coisas sobrenaturais, com o espiritismo, é como se Rafo partilhasse a sua vida com um mundo inexistente, mágico. é por isso que Gustavo Buntinx, crítico e curador de arte peruano, acredita que no trabalho de Rafo Diaz há uma aproximação fecunda, concreta e real a essa modernidade popular diferente de situações ancestrais, como a experiência com “ayahuasca” e as antigas tradições dos povos amazónicos.

As jibóias gigantes têm estado presentes em muitas culturas da antiguidade, sempre rodeadas de misticismo e superstição. Os “druidas” celtas, egípcios, persas, índios orientais, asiáticos, mongóis, algumas tribos da polinésia e os indígenas americanos consideraram a jibóia gigante o símbolo da sabedoria, da saúde, da sexualidade da vida e da ressurreição.

A convicção de Diaz é de que “A jibóia é um animal que aparece e desaparece, que muda de pele e renasce. Se está enroscada formando um círculo representa o símbolo solar, a fonte da vida e do poder: o senhor do universo”.

Nascido no Peru e a viver actualmente em Moçambique, Rafo serve-se da exposição “Jibóia Gigante” para fazer um convite aos amantes das artes ao mundo das serpentes.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -22-06-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa402