O País Online - A verdade como notícia

Sábado
21 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Cultura Cultura Dançarinos preparam “Tango” para Novembro

Dançarinos preparam “Tango” para Novembro

Comunidade do tango no país prepara primeiro festival internacional da África Austral

Moçambique é um terreno fértil para a produção artística. Sem dúvida, e os gêneros artísticos internacionais ganham também projecção no solo moçambicano. É o caso de tango, um estilo de dança oriundo da Argentina que é praticado no país há 10 anos.

Como forma de celebrar esta década de existência, a comunidade apaixonada pelo tango no país está a preparar um festival internacional, por sinal, o primeiro de Moçambique e da África Austral.

Como forma de mostrar o que será desse evento e porque não um ensaio, algumas escolas de dança de tango juntaram-se, ontem, em Maputo, para um espectáculo.

Foi uma noite sublime, em que diversos pares riscaram o chão, mostrando aquilo que será o Festival Internacional de Tango, que pretende celebrar os 10 anos deste movimento em Moçambique.

O evento foi testemunhado pelo embaixador da Argentina em Moçambique e por dois bailarinos profissionais da Argentina que há um mês vêm realizando oficinas de tango no país, entre demais amantes deste género de dança.

Para Frias Fumo, um dos professores e bailarino moçambicano, o tango tem um público reduzido porque o tango é uma dança exigente e as pessoas tendem a preferir danças fáceis, como a kizomba e salsa. “Temos que trabalhar muito para cativar as pessoas e convencê-las a participar das aulas”, entende Fumo.

Fumo não tem dúvidas dos benefícios do tango, “em termos de musicalidade é uma dança muito rica. Tem muitos instrumentos clássicos, tocados geralmente em orquestras e é muito bom de se ouvir”. E não só, “faz muito bem a saúde porque é relaxante, é descontraído e é como uma forma de exercício. Há muitos músculos que a gente mexe na hora da dança e há muita coisa com que temos estar atentos e”, não menos importante, “é uma forma de interagir com as outras pessoas”, explicou Fumo, quem antevê um festival que vai abranger muitas pessoas.

 

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -20-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa420