O País Online - A verdade como notícia

Sábado
22 de Julho
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Cultura Cultura Borges Coelho defende maior acesso aos livros no país

Borges Coelho defende maior acesso aos livros no país

Autor de “O Olho de Hertzog” defende que é preciso levar os livros à juventude

 

O escritor João Paulo Borges Coelho defendeu, semana passada, que é preciso facilitar o acesso aos livros no país, num encontro realizado em Maputo, por ocasião do Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP.

“Em Moçambique, por exemplo, um estudante pobre precisa de seis meses para comprar um livro. Isso é uma vergonha. É necessário que se adoptem medidas para facilitar o acesso aos livros”, frisou o escritor.

Para o autor, é preciso levar os livros à juventude, evitando a uma certa elitização da literatura.

Borges Coelho lançou o apelo durante uma conversa com o romancista e investigador literário Helder Macedo, promovida pelo Centro Cultural Português e pela Fundação Calouste Gulbenkian, que preside actualmente à Comissão Temática da Língua Portuguesa em Portugal.

Além de ser necessário facilitar o acesso aos livros, os dois autores apontaram mais batalhas por travar.

Helder Macedo apontou o facto de a maior parte dos moçambicanos não terem o português como a primeira língua como um desafio para os escritores do país na actualidade.

“Eu presumo que um dos maiores desafios para Moçambique a nível da literatura é o facto de (a língua portuguesa) não ser falada pela maior parte da população”, referiu o autor de ‘Partes de África’.

Por outro lado, defendeu que a literatura nos países africanos de língua portuguesa tem o desafio de redefinir a sua posição, considerando que a narrativa da “transição revolucionária” está esgotada.

“A mim interessa-me bastante ver agora o que se segue. Aquela fase de transição revolucionária já passou, passaram-se 40 anos”, declarou, acrescentando que o grande ideal da consolidação das identidades nacionais já acabou.

“Há, na verdade, várias literaturas que usam a mesma língua. É fundamental ver os desenvolvimentos específicos”, observou, acrescentando que ainda há muito espaço para as novas gerações na literatura de língua portuguesa.

Borges Coelho considerou importante a “agitação” literária que a lusofonia está a viver e apontou que “o grande desafio é o da publicação”, referiu o autor de “O olho De Hertzog”.

A conversa entre os dois autores juntou várias personalidades no Centro Cultural Português, em Maputo, entre académicos e escritores, com destaque para nomes como Mia Couto e Brazão Mazula.

João Paulo Borges Coelho recebeu o Prémio José Craveirinha em 2006 com “As Visitas do Dr. Valdez” e o Prémio Leya em 2009 com “O Olho de Hertzog”.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -20-07-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa401