O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
22 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Cultura Cultura “Passos de magia” em Nampula para conquistar novos leitores

“Passos de magia” em Nampula para conquistar novos leitores

Mauro Brito lança sua primeira colectânea de poesias

 

A colectânea de poesia, que marca a estreia de Mauro Brito em livro, foi lançada, na cidade de Maputo, lá vão várias luas. Não obstante, porque existe sempre novos públicos a conquistar e novos espaços para os quais levar a emoção e os sentimentos tão contidos nas páginas dos livros, o poeta decidiu voltar ao Norte, concretamente, à província que mereceu ter a primeira capital do país, para lançar o seu “Passos de magia ao sol”: Nampula.

Naquela província, o livro será apresentado aos leitores makhuwas e tantos outros num formato informal, quinta-feira, mesmo sem nenhum apresentador com essa função, afinal, os livros também têm vozes que falam por si.

Nesta viagem aos ventos que sopram do Norte, Mauro Brito escolheu, para apresentação da obra literária, o Museu Nacional de Etnologia, durante a exposição sobre a celebração do Dia Internacional dos Museus que hoje se assinala. Além disso, Brito escolheu um museu para esta aventura “por ser um local com simbolismo, onde etnias se encontram”. E por que voltar a Nampula é uma experiência especial, o poeta viaja com uma pretensão. Nada secreta, que de segredos já bastam os silêncios que os versos encerram: “Neste alcance ao público, pretendo descobrir novos leitores, dando-lhes a oportunidade para que tenham contacto com o livro, porque o livro chega tão pouco”, afirmou Mauro Brito.

Ainda sobre o regresso a Nampula, Brito confessa, sente-se nostálgico e inconformado pelo facto de uma província tão grande e com alta densidade populacional ser carente de livrarias. Além disso, o contraste que capta na realidade magoa: “há desenvolvimento em termos económicos e a nível de infra-estruturas, mas não em termos intelectuais. Temos várias universidades a formarem anualmente, em diversas áreas, no entanto, nada de académicos e leitores”, frisou o poeta.  

O evento deste dia em que a obra do poeta chega oficialmente a Nampula irá iniciar às 10h e vai estender-se até às 17h. No Museu Nacional de Etnologia, Mauro Brito vai ter uma breve conversa com os leitores e o público em geral, no entanto, com algum destaque para alunos e estudantes das escolas vizinhas ao museu, como 25 de Junho e Secundária de Nampula, que farão parte da exposição “Unindo, Construindo”, alusivo à efeméride.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -22-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa414