O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
28 de Julho
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Cultura Cultura FestCoros na recta final

FestCoros na recta final

Grupos corais enfrentam-se  na semi-final no domingo

O maior festival de canto coral do país está perto do fim. A semifinal será neste domingo.

Durante seis galas, mais de 300 vozes passaram pelo palco do Auditório Municipal da Matola, levando emoção e boa sonioridade aos telespectadores da Stv. Para brindar ao público e aos participantes do concurso, a produção do FestCoros preparou algumas novidades. A primeira boa-nova é que as galas passam a ser aem directo. Com esta mudança os desafios multiplicam, pois será exigida mais disciplina e entrega aos concorrentes. 

Ainda nesta onda das surpresas, o público também foi agraciado. As percentagens de votos passam a ser 50% para os júris e 50% para o voto popular. Antes o jurado tinha o peso de 70%. A alteração dará ao público o poder de escolher o vencedor da sétima edição do evento.

Mas a lista de novidades não fica por aqui, há outros pontos. A animação das actuaçoes vai ganhar uma nova dinâmica, pelo que a produção do evento abriu espaço para os grupos corais convidarem artistas a participarem das apresentações, nestas últimas galas. E, a criatividade dos grupos, também será colocada a prova, os correntes têm a possibilidade de incluir qualquer instrumento musical ou fazerem arranjos que julgarem oportunos.

Durante esta edição do FestCoros participaram ao todo 24 grupos e a cada gala foram eliminados dois. No episódio de domingo, sobem ao palco do Auditório Municipal da Matola 16 coros. E, porque as regras jogo devem ser respeitadas, mais dois coros perderão a oportunidade de disputar a grande final, no próximo dia 28.

Com consciência da grande batalha que se aproxima, os participantes estão a dar o seu máximo nos ensaios. O optimismo na victoria é o grande lema de todos.

O corpo de jurado, para este Fest coros, é composto pela professora de música Isabel Mabota, o músico e compositor Hortêncio Langa e pelo professor e músico Arão Litsuri. Como sempre, estes prometem avaliar com rigor a todos os participantes.

 

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -28-07-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa401