O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
22 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Cultura Cultura Oficina de História promove debate sobre fotografia no Camões

Oficina de História promove debate sobre fotografia no Camões

Centro Cultural Português promove o debate sobre o papel da fotografia e outros meios visuais na escrita da história e na produção da memória colectiva

O Centro Cultural Português acolhe, amanhã, a exposição itinerante da Namíbia - “Usakos - fotografias para além das ruínas” - que estará patente na galeria do Camões até o dia 4 de Agosto.

É a propósito desta exposição que no dia seguinte, sexta-feira, a Biblioteca do Camões acolhe a Oficina de História Visual.

Pretende-se, no entanto, a promoção de um debate entre académicos, arquivistas, investigadores, fotógrafos e curadores sobre o papel da fotografia e outros meios visuais na escrita da história e na produção da memória colectiva em Moçambique e outros países.

A Oficina de História Visual começa com uma visita guiada à exposição “Usakos – fotografias para além das ruínas”, que será também o tema do primeiro painel da sessão, no qual participam Giorgio Miescher, curador e investigador do Centro de Estudos Africanos da Universidade Basel (Suíça) e da Fundação Carl Schlettwein, Saara Llovu, representante da Câmara Municipal de Usakos (Namíbia), e Jeremy Silvestre, da Associação de Museus da Namíbia. A moderação estará a cargo de Alexandra Pinho, directora do Camões.

O segundo painel terá como intervenientes Alexandre Pomar, jornalista e crítico de arte português e o fotógrafo Mauro Vombe que irão reflectir sobre a fotografia moçambicana, num painel moderado por Catarina Simão, realizadora e investigadora portuguesa.

O início da tarde será dedicado ao tema “Fotografia, História e Arquivos Fotográficos em Moçambique” e conta com a participação de Caio Simões de Araújo, doutorando de História e Política Internacional na Universidade de Basiléia (Suíça), Eric Morier-Genoud, investigador de História Africana e Catarina Simão. A moderação estará a cargo de Alexandre Pomar.


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -22-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa414