O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
22 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Cultura Cultura “Comboio” faz história nas salas de cinema

“Comboio” faz história nas salas de cinema

Filme de Licínio Azevedo bate recorde de adesão nas salas de cinema da Lusomundo

O filme moçambicano “Comboio de Sal e Açúcar” permanece nas salas de cinema da Lusomundo pela quarta semana consecutiva, desta sexta-feira até à próxima quinta-feira. Nesta quarta semana o filme será exibido no Shopping Maputo, às 18h00, e na Matola, às 17h30.

O filme encontra-se em exibição desde o dia 15 de Junho. O facto de ter levado numeroso público às salas fez com que superasse a média de exibição de grandes produções internacionais que ficam normalmente duas semanas em salas. Segundo cineastas moçambicanos envolvidos na produção do filme, este facto demostra que os filmes nacionais, produzidos com os devidos meios, têm capacidade de se impôr no mercado.

Como único entrave para a difusão a nível nacional, os cineastas apontam a falta de salas no resto do país. A Ebano Multimedia, produtora nacional do filme, e a Amocine (Associação Moçambicana de Cineastas) apostam no “Cinema Movel” como forma de levar o filme à uma zona mais ampla do nosso território. Desta vez, ao contrário da forma tradicional, com viaturas especiais para o efeito, a ideia que está sendo implementada é, com o apoio dos CFM, um dos grandes patrocinadores desta produção nacional, apresentar o filme ao longo das linhas férreas, com projecções gratuitas nas estações ferroviárias. Inicialmente o projeto abrangerá a zona Sul do país, podendo ser estendido para o Centro e o Norte, com a equipa viajando num pequeno comboio que será a sua casa e “cinema” por algumas semanas.

“Comboio de Sal e Açúcar” será apresentado em Setembro e Outubro, em três outros países. Em Marrocos, no Festival Africano de Filmes, na cidade de Khouribga, o mais antigo festival africano de cinema, que terá este ano a sua 40ª edição. Na Alemanha, no Festival de Filme Africano de Colônia, e nas Maurícias.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -22-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa414