O País Online - A verdade como notícia

Sábado
22 de Julho
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Cultura Cultura “In the groove” dá um giro de 360°

“In the groove” dá um giro de 360°

No momento de dizer adeus à pátria amada, o guitarrista diz que “não é o Jimmy quem vai ao mundo, mas a cultura moçambicana”

 

Os grandes palcos da Suécia, Letónia, Brasil e Macedónia são as primeiras paragens de Jimmy Dludlu nos próximos 12 meses. Nestes locais, o artista vai exibir, pela primeira vez, aquele que considera ser o álbum mais moçambicano, o “In the Groove”.

No momento de dizer adeus à pátria amada, o guitarrista, primeiro, agradeceu a oportunidade e disse que esta é a realização de um sonho. “Não é o Jimmy quem vai ao mundo, mas a cultura moçambicana”, introduziu.

Segundo artista, a escolha do “In the groove” como principal aperitivo para a tournée se deve ao facto de ser a melhor amostra das suas origens. Contudo, o repertório abrange toda a sua discografia. “Nós fizemos um repertório a partir do “Echoes from the past” até ao último trabalho”, enfatizou.

Recorde-se que o “In the Groove” retrata alguns problemas do dia-da-dia – como a crise de transportes – e tem recriações de temas populares, nomeadamente “kensani” e “masseve”.

Ainda na conversa com o jornal O País, o guitarrista revelou, também, que a viagem é o início de um projecto de internacionalização da cultura moçambicana, em particular a música. “Nós somos os primeiros a ir para fora e abrir os caminhos neste tipo de festivais. Quando terminar a tournée, eu e meus parceiros queremos enviar outros artistas”, explicou.

Jimmy expressou, igualmente, o seu optimismo na possibilidade de mudar o actual cenário da música nacional. “O primeiro palco onde vamos apresentar o ‘In the Groove’ tem a capacidade para 10 mil pessoas e o evento será transmitido, ao vivo, para mais de cinco milhões de pessoas na Europa. Nós vamos fazer o nosso melhor para que cada uma dessas pessoas fique com marca de Moçambique”, justificou.

Durante a primeira fase da digressão, o guitarrista será acompanhado por sete instrumentistas.

Até Julho de 2018, o “In the Groove” terá passado por 15 países em todos os continentes.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -20-07-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa401