O País Online - A verdade como notícia

Quinta-feira
19 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Cultura Cultura “Temos muito a aprender de Aldino Muianga”

“Temos muito a aprender de Aldino Muianga”

David Simango considera Aldino Muianga um mestre da criação literária no país

O Conselho Municipal da Cidade de Maputo prestou homenagem ao escritor Aldino Muianga pelos 30 anos de produção literária. Veja, na íntegra, o discurso do edil, David Simango, no evento que decorreu na Jardim Tunduru, durante a 3ª edição da Feira do Livro.

“Cabe-nos a honra, nesta majestosa ocasião, de encontrar palavras certas para descrever o quão deslumbrante são, tanto a obra, quanto o próprio autor, o nosso ilustre escritor Aldino Muianga. Porém, quisera ter uma missão que se circunscreve unicamente numa execução honorífica. Mas ter o desplante de falar de Aldino Muianga é tão fascinante quanto desafiador. Aliás, não fosse o nosso exímio autor, um homem pertencente a uma constelação tão selecta quanto restrita de criaturas a quem a natureza dotou de habilidades transcendentes em áreas de conhecimento tão exigentes quanto distintas. O seu percurso eminentemente invejável tanto como clínico e cirurgião, assim como docente em academias nacionais e estrangeiras, acrescido às suas tão prolíficas quanto profusas obras literárias são disso um exemplo inequívoco.

Efectivamente, de um ilustre autor como Aldino Muianga, temos muito a aprender. Ou não estaríamos a falar de quem, em 30 anos de uma cintilante carreira como escritor, brindou os seus leitores; adubou importantes debates e estudos literários, assim como inspirou gerações, contribuindo, deste modo, para o alavancamento da literatura em Moçambique. Na verdade, a criação de um total de 15 obras durante este percurso, a última das quais, intitulada “Asas Quebradas”, recentemente lançada, prova que estamos perante um incansável e inusitado mestre da criação na arte literária. É, pois, por esta razão que, pela fulgurante carreira, e pelo entusiasmo que a sua obra causa diante dos fazedores das artes e das letras, no geral, e dos amantes da arte literária, em particular, Aldino Muianga integra, incontestavelmente, o panteão de ilustres autores da nossa literatura.

Daí que, numa altura em que celebramos os 130 Anos de elevação de Maputo à categoria de Cidade, aliás, a urbe que se orgulha de ser o berço do nosso ilustre escritor, afigura-se de capital importância mostrar, sobretudo às novas gerações, aquelas figuras que, pela sua destreza e engenhosidade, ajudam a moldar a humanidade, tal como o faz o nosso prodigioso escritor.

Esta acção enquadra-se no estrito cumprimento dos nossos compromissos, aquando da assunção dos destinos da edilidade, nomeadamente, promover a cultura, o desporto e a recreação no seio de adolescentes, jovens e adultos.

Ora, a homenagem a um escritor do calibre de Aldino Muianga, paralelamente à Feira do Livro de Maputo, é uma oportunidade fecunda, pois, desta combinação resultam encontros e descobertas indeléveis entre gerações e culturas distintas.

Para terminar, gostaríamos de reconhecer, cordialmente, o esforço empreendido pelos nossos parceiros, apoiando-nos, de modo a valorizarmos os principais fazedores da nossa cultura, tal como o nosso escritor, docente, médico e cirurgião Aldino Muianga, que, acima de tudo, projecta o nome da nossa Cidade além-fronteiras, e a quem desejamos longa vida para continuar a deleitar-nos com as suas suculentas obras e a moldar o homem, hoje, amanhã e sempre”.

 


 

 

 

 

 

 

 

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -18-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa419