O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
18 de Agosto
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Desporto Desporto Infra-estruturas desportivas devem ser geridas de forma científica

Infra-estruturas desportivas devem ser geridas de forma científica

Ministério da Juventude e Desportos quer melhorar infraestruturas desportivas no país

Moçambique dispõe de muitas infra-estruturas desportivas, muitas delas herdadas do tempo colonial e mais tarde distribuídas pelos diversos clubes. Algumas dessas instalações e infra-estruturas desportivas tem estado a degradar-se a olhos vistos. Aliás, depois da guerra de desestabilização, as mesmas ficaram destruídas, completa ou parcialmente. E só depois da criação do Fundo de Promoção Desportiva iniciou-se um processo de reabilitação dessas infra-estruturas, para responder as diversas actividades desportivas que aconteciam no país.

O exemplo mais claro dessas actividades são os jogos escolares, que decorrerm de dois em dois anos e os campeonatos nacionais das diversas modalidades. Algumas dessas instalações foram reabilitadas em função das competições que o país acolheu, nomeadamente os Jogos Africanos de 2011, os afrobasket´s e outras competições. Outras ainda vão sendo construídas de raiz, como palcos desportivos de referência, com exemplo prático para os Complexos Desportivos de Zimpeto, de Gondola e de Pemba.

Este desnível no tratamento das instalações desportivas foi motivo de encontro de diversas personalidades ligadas ao desporto, para falar da gestão dos espaços desportivos. Afinal, esta é uma preocupação de todos os segmentos da vida desportiva, que pretendem ver mudada esta situação e encontrar formas de gerir melhor as infra-estruturas desportivas existentes, para o bem do desporto.

Temas relativos ao “estágio da gestão das instalações e infra-estruturas desportivas em Moçambique – desafios e perspectivas”, “ciclo de vida da infra-estrutura desportiva”, “planeamento e ordenamento de espaços para a prática desportiva”, “papel dos gestores das instalações desportivas”, entre outras, serão abordados nesta conferência que iniciou hoje, e terá seu epílogo na tarde de amanhã.

Depois de terminados os debates, haverá uma mesa redonda onde vai-se definir as melhores estratégias de melhor gerência das infra-estruturas, tendo em conta as soluções que saírem dos painéis de debates.

Aliás, a integração de figuras de renome nesta conferência, casos de Rui Tadeu, Cremildo Gonçalves, António Marques, Gabriel Dava, Altenor Pereira, Adamo Bacar, Joel Libombo, Renato Caldeira, entre outros, é prova inequívoca de que a questão de gerência de infra-estruturas e instalações desportivas é um dilema que precisa ser estancada.

Infra-estruturas acompanhadas de forma científica

Este seminário é uma resposta aos esforços do Ministério da Juventude e Desportos e outras instituições que pretendem encontrar caminhos para uma melhor gerência das infra-estruturas desportivas. É, também, uma recomendação do presidente da República, aquando da sua visita ao Complexo Desportivo do Zimpeto e ao Parque dos Continuadores, em que deixou clara a intenção de ver melhor geridas as infra-estruturas desportivas. Daí que o Ministério da Juventude e Desporto tenha se aliado à Universidade Eduardo Mondlane para, através dos “diferentes saberes”, como a Escola Superior de Ciências de Desporto, as faculdades de Arquitectura, Direito, Economia e Engenharia, possam trabalhar, de facto, na melhor gestão.

Isso porque a gestão não é somente cuidar da infra-estrutura, mas inicia com o projecto de construção, as normas de legislação do espaço desportivo, a própria construção, a gestão do bem desportivo até ao fim do prazo da sua durabilidade. Uma durabilidade que é garantida através de 3 pressupostos, nomeadamente: segurança, funcionalidade e estética. Ou seja, uma infra-estrutura bem gerida deve ser construída com muita segurança para os seus utentes, ser uma infra-estrutura usada para o projecto ao qual foi construída e ter uma estática que permita conforto dos usuários.

Estes e mais pressupostos, aliados aos desafios que se colocam, serão discutidos nesta conferência sobre gestão de instalações e infra-estruturas desportivas, que decorre até esta quinta-feira no anfiteatro da Universidade Eduardo Mondlane.

 

 

 


 

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -17-08-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 


 

EQUIPAANO
Ferroviário da Beira 2014
Ferroviário da Beira2013
Liga Muçulmana2012
Ferroviário De Maputo 2011
Maxaquene2010
Ferroviário De Maputo2009
Atlético Muçulmano2008
Costa Do Sol 2007
Desportivo De Maputo2006
Ferroviário Da Beira2005
Ferroviário De Maputo2004
Ferroviário De Nampula2003
Costa do Sol2002
Maxaquene2001
Costa do Sol2000
Edição Impressa410