O País Online - A verdade como notícia

Terça-feira
24 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Desporto Desporto Diogo salva Lucas Barrarrijo da fúria dos adeptos “locomotivas”

Diogo salva Lucas Barrarrijo da fúria dos adeptos “locomotivas”

Ferroviário de Maputo vence seu homónimo de Nampula por 3-1 na Taça Moçambique

Depois da derrota na primeira mão por uma bola sem resposta, o Ferroviário de Maputo não quis perder tempo no jogo de ontem e logo ao primeiro minuto fez questão de empatar a eliminatória, com um golo de belo efeito apontado por Mário, depois de uma excelente jogada de Diogo, que tira dois adversários do caminho e serve Mário.

Sem dar tempo ao seu homónimo reagir, os “locomotivas” de Maputo voltaram a marcar, dois minutos depois, num cabeceamento de Luís, após cruzamento de Chijioke. Estava já feita a cambalhota na eliminatória. Mas havia ainda muito tempo por jogar. Era preciso esperar para ver o que o Ferroviário de Nampula iria fazer para mudar os acontecimentos a seu favor.

E nada satisfeito com o desenvolvimento da sua equipa, Arnaldo Salvado acabou fazendo mesmo uma substituição aos 20 minutos, tirando Kalanga e fazendo entrar Osvaldo.

E a substituição surtiu efeito, pois, seis minutos depois o Ferroviário de Nampula reduz, por intermédio de Hamadou, que aproveitou uma fífia de Simplex, que defendeu a bola para onde estava o atacante dos nampulenses, que só encostou para o 3-1. Estava revirada a eliminatória a favor da turma de Arnaldo Salvado.

E já estava mais perigosa a “locomotiva” de Nampula que carburava a todo vapor, procurando encurralar o seu “mano” na sua zona defensiva. Por duas vezes podia ter empatado o jogo, mas o primeiro chapéu de Kume saiu ao lado e depois o livre de Hamadou foi defendido por Simplex. Com a vantagem do Ferroviário de Maputo no jogo e do Ferroviário de Nampula na eliminatória foi-se ao intervalo.

O reatamento trouxe um Ferroviário de Nampula mais transfigurado e com mais carácter, mais rematador e mais perigoso. Simplex que o diga, pois por duas vezes teve que se aplicar para evitar o pior. Do outro lado, Barrarrijo via-se a olhos vistos a perder a eliminatória e tinha que fazer algo para marcar pelo menos um golo. Mas havia displicência dos seus avançados, que não ganhavam as segundas bolas e iam perdendo soberbas oportunidades de dilatar o marcador.

Aliás, numa das oportunidades, teve que ser Bino a evitar um golo que até seria de um defesa na própria baliza. Bino teve que se esticar para defender, quando adeptos já gritavam golo.

E a obra-prima de Diogo estava por vir. De fora da área, num remate de raiva, um míssil que quase furava as redes de Bino. O guarda-redes de Nampula ainda se esticou, mas debalde, porque a bola só parou no fundo das malhas. Novamente revirada a eliminatória, desta feita a favor do Ferroviário de Maputo.

No último minuto do jogo, num canto, quase a história mudava. Bino, guarda-redes do Ferroviário de Nampula, foi cabecear como mandam as leis, de cima para baixo e quase gelava o Estádio da Machava, mas a bola saiu por cima. Venceu a “locomotiva” de Maputo, numa grande propaganda do futebol moçambicano.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -24-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 


 

EQUIPAANO
Ferroviário da Beira 2014
Ferroviário da Beira2013
Liga Muçulmana2012
Ferroviário De Maputo 2011
Maxaquene2010
Ferroviário De Maputo2009
Atlético Muçulmano2008
Costa Do Sol 2007
Desportivo De Maputo2006
Ferroviário Da Beira2005
Ferroviário De Maputo2004
Ferroviário De Nampula2003
Costa do Sol2002
Maxaquene2001
Costa do Sol2000
Edição Impressa420