O País Online - A verdade como notícia

Quinta-feira
19 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Desporto Desporto “Bye-bye” Chingale de Tete...

“Bye-bye” Chingale de Tete...

Chingale de Tete entre as três equipas despromovidas do Moçambola ZAP

O Chingale de Tete completou, esta semana, o grupo das três equipas despromovidas do Moçambola ZAP, campeonato nacional de futebol. A derrota diante do Ferroviário da Beira, por 2-1, em jogo em atraso da 28.ª jornada do Moçambola ZAP, ditou a sentença dos “canarinhos” de Tete.

O confronto entre os “locomotivas” do Chiveve era de capital importância para o Chingale, até porque partiu para o mesmo numa situação em que se encontrava na 14.ª posição - na zona de despromoção - com 26 pontos.

E era obrigado a vencer para somar 29 pontos e, nas duas últimas jornadas, lutar para amealhar seis pontos e terminar a prova com 35.

Neste cenário, ficaria também à espera de uma escorregadela do  1.º de Maio de Quelimane, 13.º classificado com 32 pontos,  Ferroviário de Nampula, ora na 14.ª posição com 33 pontos, e Maxaquene, 11.º classificado com o mesmo número de pontos.

Com a derrota, caiu por terra o sonho de se manter na fina flor do futebol moçambicano.

O Chingale faz, desta forma, companhia a UP de Lichinga e AD Macuácua, equipas também despromovidas.

Encontrado o tridente despromovido, as outras equipas que também estavam em risco de descer de divisão passam a respirar de alívio.

Trata-se do Maxaquene, Ferroviário de Nampula e o 1.º de Maio de Quelimane que estão a fazer um campeonato aos soluços.

Com esta vitória, o Ferroviário da Beira passa a somar 39 pontos, os mesmos que o seu homónimo de Maputo. Aliás, os dois Ferroviários terão que se defrontar, na próxima quarta-feira, dia 11 de Outubro, no Estádio da Machava, também num jogo de acerto ao calendário.

“Dança” de treinadores

A formação do Chingale começou a época futebolística sob o comando técnico de Mussá Osman, mas este foi afastado na quinta jornada por alegados maus resultados.

Os “canarinhos” iniciaram a prova com uma derrota diante da UP Lichinga, por 1-0, tendo depois caído aos pés do Maxaquene com quem perderam na segunda jornada pelo mesmo resultado.

Depois, na terceira jornada, o Chingale de Tete empatou a uma bola com o ENH de Vilankulo. Seguiram-se derrotas com o Costa do Sol (2-0) e União Desportiva de Songo (1-0). Aliás, o desaire com os campeões nacionais ditou a queda de Mussá Osman. Na altura, o director de comunicação e imagem do Chingale de Tete, Edson Lino, disse que a rescisão do contrato que ligava o clube e Mussá Osman foi amigável. Ferreirinha, adjunto, segurou o barco até a vinda do português Carlos Graça que, diga-se, não trouxe resultados.


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -18-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 


 

EQUIPAANO
Ferroviário da Beira 2014
Ferroviário da Beira2013
Liga Muçulmana2012
Ferroviário De Maputo 2011
Maxaquene2010
Ferroviário De Maputo2009
Atlético Muçulmano2008
Costa Do Sol 2007
Desportivo De Maputo2006
Ferroviário Da Beira2005
Ferroviário De Maputo2004
Ferroviário De Nampula2003
Costa do Sol2002
Maxaquene2001
Costa do Sol2000
Edição Impressa419