O País Online - A verdade como notícia

Domingo
24 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Economia

Economia

Exportações de petróleo do Iraque estão no nível mais alto desde 2003

As exportações de petróleo bruto iraquiano estão no ní­vel mais alto

Ler mais...

Empresários acreditam que Zuma vai quebrar barreiras entre RAS e Angola

As exportações sul-africanas para Angola cresceram de 316 milhões de randes

Ler mais...

Linha de Sena será concluída dentro do prazo previsto

A garantia foi dada pelo Alto Comissário cessante da Índia

Ler mais...

Governo deixará de fixar tarifas de energia eléctrica

A função ficará a cargo do Conselho Nacional de Electricidade,

Ler mais...

Maiores bancos do mundo lucraram 30 mil milhões de euros no 1º semestre

Os 20 maiores bancos do mundo lucraram mais de 30 mil milhões de euros

Ler mais...

RAS e Marrocos considerados melhores destinos de investimento em África

África do Sul, Egipto e Marrocos foram classificados melhores des­tinos para o Investimento Directo Estrangeiro (IDE) no continente africano, no exercício 2009-2010. Um relatório de serviço de infor­mação sobre o IDE, uma divisão especializada do jornal Financial Times, fez esta revelação em Nova Iorque, nos Estados Unidos.   O estudo teve em conta numerosos critérios para fazer esta clas­sificação, incluindo as infra-estruturas, as estratégias a nível local que favorecem a entrada dos investimentos directos estrangeiros, a situação económica potencial, os recursos humanos, o nível de vida das populações e a abertura dos mercados.   O relatório intitulado: “Os Países de África do Futuro 2009- 2010”, foi elaborado por um grupo de peritos independentes, que classi­ficaram os 53 países africanos em função dos resultados baseados nos critérios acima mencionados.   O serviço de informação sobre o IDEfornece produtos, serviços e instrumentos comerciais que permitem a empresas e organismos de desenvolvimento económico tomarem decisões esclarecidas sobre os Investimentos Directos Estrangeiros.

Um millhão USD por ano para fiscalizar o mar

Um millhão USD por ano para fiscalizar o mar

Por dia são aplicados três mil dólares para proteger a costa nacional

Ler mais...

Trocas comerciais entre China e CPLP registam aumento de 30.660 milhões USD

A China está a tornar-se um dos maiores parceiros comerciais dos países de expressão portuguesa. Dados ofi­ciais indicam que o Brasil faz com a China as suas maiores trocas comerciais, sendo que, em África, o país asiático tem Angola como o seu maior parceiro económico. Moçambique foi o segundo maior investidor, em 2008.   As trocas comerciais entre a Chi­na e os oito países de língua portu­guesa atingiram, em 2008, cerca 77.022 milhões de dólares, repre­sentando um aumento de 30.669 milhões em relação a 2007.   De Janeiro a Abril de 2009, as trocas comerciais entre a China e o Brasil alcançaram 10.2 mil milhões de dólares, representando um au­mento de 13.9%, em face ao mes­mo período do ano anterior.   Segundo o director de projectos do Centro de Promoção de Inves­timentos- CPI, Nuno Maposse, a China investiu no país 76.8 milhões de dólares em 2008, ocupando a segunda posição, logo depois da África do Sul, cujas empresas in­vestiram 136 milhões. A China está envolvida em muitos projectos com Moçambique, sendo de destacar o crédito concedido ao país para a modernização e ampliação do ae­roporto internacional de Maputo, um investimento avaliado em 75 milhões de dólares.  Volume das Trocas Comerciais entre a China e os Países de Língua Portuguesa de Janeiro a Dezembro de 2008    Unidade: 10 mil USD    Número País De Janeiro a  Dezembro de 2008 Volume das Trocas Comerciais de Janeiro a Dezembro de 2007     Volume das Trocas Comerciais Exportações da China Importações da China Aumento(%)   Total Exportações da China Importações da China   1 Angola 2531144.32 292891.93 2238252.38 79.30 137.87 73.66 1411998   2 Brasil 4857305.33 1874919.40 2982385.93 63.52 64.87 62.68 2970504   3 Cabo Verde 1326.59 1326.59 * -9.76 -9.76 * 1470   4 Guiné-Bissau 737.10 612.84 124.26 -1.06 -15.82 630.94 745   5 Moçambique 41432.68 28841.95 12590.73 45.83 80.01 1.63 28411   6 Portugal 269119.62 230391.70 38727.92 21.73 26.15 0.71 221081   7 Timor-Leste 925.00 914.38 10.62 -2.73 -3.34 112.40 951   8 São Tomé e Príncipe 189.41 187.70 1.71 6.41 5.45 171.00 178   Total 7702180.05 2430086.49 5272093.55 66.16 66.18 66.15 4635338  

Estâncias turísticas crescem 1000% em Vilanculos

O número de estâncias turísticas cresceu 1000% no distrito de Vila­culos, província de Inhambane, ao atingir um total de 40, em 2008, contra apenas quatro existentes em 2004. O número de estâncias, cuja maior parte desenvolve actividade de restauração, deverá continuar a crescer a nível deste ponto do país, já que continua a haver investimentos neste sentido. Este crescimento do número de estâncias turísticas terá permitido que o distrito de Vilanculos recebesse um total de 7.249 turistas estrangeiros, só no primeiro trimestre deste ano. De acordo com o administrador local, José Nobreza, esta cifra terá sido superada, na medida em que há nacionais de outros pontos do país que visitaram o distrito. José Nobresa revelou não possuir ainda os montantes que o Esta­do ganhou a partir da entrada dos referidos turistas estando, neste momento, os dados na posse das finanças que gerem a parte nortenha da província de Inhambane. No entanto, o representante do governo confessa ter entrando “muito dinheiro para o distrito e para os cofres do estado”. Por outro lado, o “O país” ficou a saber que no que tange à pro­dução agrícola, o distrito de Vilanculos produziu um total 67. 372 toneladas de diferentes produtos, em 2008, contra apenas 315 toneladas produzidas, em 2004.

Turismo rendeu 190 milhões USD aos cofres do Estado

Turismo rendeu 190 milhões USD aos cofres do Estado

Em 2008, o pelouro do Tu­rismo arrecadou 190 mi­lhões de dólares america­nos de receitas, s

Ler mais...
Tete conclui electrificação de distritos

Tete conclui electrificação de distritos

A província central de Tete, que alberga o maior empreendimento energético

Ler mais...

Instalação de credelec no país está na recta final

A empresa pública Electricidade de Moçambique (EDM) está a concluir a instalação do Sistema Pré-pago de Energia Eléctrica (CREDELEC) no país.      

No próximo Sábado, a EDM vai lançar o CREDELEC no distrito de Mocuba, província da Zambézia, no centro do pais.    

Depois da instalação deste sistema em Mocuba, ficará a faltar a cidade de Chimoio, na província central de Manica.    

De acordo com informações da EDM, a cidade de Chimoio vai beneficiar deste sistema ainda no decurso do presente ano.       

O sistema a ser lançado no próximo Sábado em Mocuba enquadra-se nos esforços da EDM em prestar melhores serviços ao cliente, com destaque para a simplificação do processo de gestão de clientes.

Em Mocuba, o projecto consistiu na aquisição e instalação de 10 mil contadores do tipo CREDELEC, dos quais 6.500 destinados a Área de Distribuição de Mocuba e 3.500 para a Zona de Distribuição do Gurué, na província da Zambézia.       

O projecto incluiu também a aquisição do equipamento informático, fornecimento e configuração do sistema de vendas, bem como formação do pessoal.     

O projecto de instalação de CREDELEC em Mocuba é resultado de um investimento na ordem de 18.8 milhões de Meticais.      

As obras, executadas pela empresa Maguezi, iniciaram a 20 de Abril último, tendo sido concluídas no dia 10 de Agosto corrente.

Mcel arrecada 548 milhões de meticais em lucros

A mcel, Moçambique Celular, arrecadou, no exercício económico de 2008,

Ler mais...

Projectos de energia vão produzir 5 mil MW a partir de 2015

Deste modo, Moçambique dá um passo importante

Ler mais...

Zona de Comércio Livre ainda não beneficia importadores

A Autoridade Tributária (AT) de Moçambique constatou que dois anos após a introdução da Zona de Comércio Livre, a iniciativa ainda não beneficia os impor­tadores nacionais. Entretanto, para massificar o conhecimen­to sobre o ambiente de negó­cios na zona, a AT procede hoje ao lançamento da semana do Certificado de Origem, na vila fronteiriça de Ressano Garcia.   Cerimónia do género vai de­correr igualmente nas frontei­ras de Manica, na região centro do país, e de Mandimba, pro­víncia de Niassa, bem como nas cidades de Nampula e Nacala, na região Norte.   A Zona de Comércio Livre abriu formalmente a 1 de Janeiro do ano passado, permitindo des­te modo a entrada - sem cobran­ça de tarifas de importação - de produtos diversos provenientes dos restantes países da Comuni­dade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC). Para efeitos de verificação nos postos fronteiriços, os importadores passaram a ter que apresentar um certificado de origem do produto em causa.   Trata-se de medidas inseridas no âmbito do início do funcio­namento da Zona de Comércio Livre, no contexto da integra­ção económica regional.   Esta abertura do mercado nacional aos produtos de toda a região está na ordem de 85 por cento dos produtos cons­tantes da Pauta Aduaneira em uso no país. Entretanto, tais produtos estarão sujeitos a outros pequenos pagamentos, como seja o imposto do comér­cio externo, caso, por exem­plo, do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) sobre as importações, tudo no quadro do cumprimento do Protocolo Comercial da SADC.   De entre as mercadorias to­talmente isentas de cobrança de tarifas, constam animais vivos como suínos, bovinos, galináceos, mamíferos; man­teiga e cereais como a ervilha e grão-de-bico; para além de mandioca e batata-doce. Por outro lado, as mercado­rias com isenção gradual são o alho, repolho e alface, que te­rão a sua taxa de 20 por cento inalterada até 2012.   Fazem parte da SADC África do Sul, Angola, Botswana, Re­pública Democrática do Con­go, Lesotho, Maurícias, Mala­wi, Madagáscar, Moçambique, Namíbia, Suazilândia, Tanza­nia, Zâmbia e Zimbabwe.

Sasol poderá investir 225 milhões USD para aumentar produção de gás

A Sasol poderá investir cerca de 225 milhões de dólares

Ler mais...

Mcel arrecada 548 milhões de meticais em lucros

A mcel arrecadou no exercício económico de 2008, 548 milhões de meticais

Ler mais...

“Chapas” de 15 lugares sairão de circulação

A medida abrange também o transporte inter-provincial,

Ler mais...

Estado expulsa 16 funciorários públicos em Inhambane

Um total de 16 funcionários públicos foram expulsos do apa­relho do estado

Ler mais...
Mpanda N’kuwa e linha Tete-Maputo eleitos projectos de alta prioridade

Mpanda N’kuwa e linha Tete-Maputo eleitos projectos de alta prioridade

A Noruega e o Banco Mundial comprometem-se a desembolsar 500 milhões de coroas e 100 milhões de dólares americanos,

Ler mais...

Oilmoz passa para Marracuene

O projecto de refinaria de pe­tróleo a cargo da Oilmoz, cuja construção foi inicialmente prevista para o distrito de Ma­tutuine, em Maputo, acaba de ser transferido para o distrito de Marracuene, na mesma pro­víncia.   Avaliado em oito biliões de dólares americanos, o projecto desta refinaria foi transferido daquele ponto do país devido à possibilidade de problemas de convivência, já que Matutui­ne está a receber uma série de projectos de alta dimensão, in­cluindo o porto de Dobela e um projecto de ecoturismo.   Os estudos de viabilidade do projecto, que representam um investimento de 8,4 mil milhões de dólares, serão realizados pela empresa de consultoria Pricewa­terhouseCoopers e pela Petróle­os de Moçambique (Petromoc).   A Oilmoz Holding referiu que a construção da refinaria vai co­meçar durante o ano em curso e terminará em 2013.   Além da refinaria, o projecto prevê igualmente a construção de uma fábrica de derivados petroquímicos, uma central ter­moeléctrica a gás, uma estação de tratamento de resíduos, um parque de tanques para arma­zenamento de combustíveis e um eventual terminal portuário “offshore”, para o transporte do petróleo em rama.   Em relação ao projecto de construção da refinaria de Na­cala, abalado pela crise finan­ceira internacional, o ministro da Energia avançou que rece­beu, na semana passada, uma carta da Ayr-Petro-Nacala, afim de informar que não abando­naram o projecto. Segundo aquele dirigente, o consórcio do projecto está à procura de novas formas e parcerias de realizar aquele empreendimen­to. “Pode ser que com os sinais da reanimação da economia mundial este projecto volte a ganhar ímpeto. Mas não está abandonado. Continuamos a receber correspondência dos investidores”, disse.

Página 328 de 344

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -22-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa414