O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
28 de Julho
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Economia Economia Gigante japonês Tokyo Gas interessada no gás da Bacia do Rovuma

Gigante japonês Tokyo Gas interessada no gás da Bacia do Rovuma

Processo de negociação já está em andamento

Vender gás a ser produzido na Bacia do Rovuma é um dos principais objectivos que leva Filipe Nyusi a Japão. Na manhã de hoje, Nyusi visitou a Tokyo Gas, uma das maiores empresas que usa gás a nível mundial. O Chefe de Estado reuniu-se com a direcção da empresa, recebeu explicações e demostrações que justificam porquê o Japão prefere usar o gás natural em detrimento do petróleo.

Na ocasião, um dos directores da Tokyo Gas revelou que a empresa está interessada em comprar o gás moçambicano porque pretende diversificar os fornecedores. Neste momento a empresa compra gás em seis países produtores.

“Até este momento, temos 12 contratos em dia e importamos o gás de diferentes países. E em termos de diversificação das nossas fontes, claro que estamos interessados no projecto de Moçambique. Todos anos nós importamos em volta de 14 milhões de toneladas de gás”, disse Kentaro Kimoto, Director-Executivo da Tokyo Gas.

A Ministra dos Recursos Minerais e Energia, Letícia Klemens, explicou como o processo de negociação está a ser conduzido. 

“O Japão está com uma redução de consumo de gás e era importante que nós fechássemos com a Tokyo Gas e tínhamos nós, como Governo, deveres a prestar, daquilo que é o processo e nós neste momento já terminamos tudo. Agora falta a parte da negociação do cliente, mas vai tudo correr bem, estamos num bom passo e temos esperança de que vamos fechar tudo”, referiu.

Ainda hoje, a delegação presidencial reuniu-se com a direcção da empresa Mitsui um dos accionistas da Área 1 da Bacia do Rovuma, junto com a Anadarko. O objectivo era avaliar os passos que poderão conduzir à implementação do projecto.

A Mitsui detém 20% de acções da Área 1 da Bacia do Rovuma, 15% na Mina da Vale em Moatize e 50% no Corredor Logístico de Nacala.

 

 

 

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -28-07-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa401