O País Online - A verdade como notícia

Segunda-feira
29 de Maio
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Economia Economia INCM leva segurança cibernética a debate na quarta edição da Moztech

INCM leva segurança cibernética a debate na quarta edição da Moztech

Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique elabora Estratégia de Segurança Cibernética

O Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) está a elaborar uma Estratégia de Segurança Cibernética, uma ferramenta essencial para que as pessoas se sintam mais protegidas e seguras ao trocarem informações através de internet e telemóveis. Este é um dos assuntos que o INCM vai levar ao debate na feira de tecnologias Moztech.

O documento já está a ser finalizado e poderá ser entregue ao Conselho de Ministros para sua aprovação entre Junho e Julho deste ano, assegura o chefe do Gabinete de Sistemas de Informação do INCM, Adilson Gomes. A fonte defende a necessidade de cada moçambicano olhar para a segurança cibernética de forma séria para se evitarem crimes protagonizados através de Tecnologias de Informação e Comunicação.

Depois de o Governo aprovar o documento, cada cidadão moçambicano terá como processar e ou levar a barra do Tribunal as pessoas que violarem os seus direitos usando a internet. Para que haja efectivamente segurança cibernética no país são necessários investimentos multissectoriais, de modo a criar capacidade técnica para detectar os crimes.

“Se é atacado um banco ou se é atacada uma infra-estrutura crítica que garante que uma determinada infra-estrutura funcione, isso consequentemente terá impacto na economia. Porque se hoje pára um banco por um dia, por exemplo, qual é o impacto que isso tem? Ontem, um banco podia fechar ou ficar parado e com minha caderneta eu resolvia o meu problema, mas se hoje pára um banco por falta de energia, porque a Cahora Bassa ou EDM foi atacada por um hacker, a economia fica consequentemente afectada”, considera Gomes. 

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -29-05-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa 398