O País Online - A verdade como notícia

Terça-feira
24 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Economia Economia CTA diz que novo prazo para paz efectiva reduz incertezas no mercado

CTA diz que novo prazo para paz efectiva reduz incertezas no mercado

CTA lembra que a trégua alcançada nos últimos três meses reanimou a economia

A Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA) diz que o encontro entre o Presidente da República, Filipe Nyusi, e o presidente da Renamo, Afonso Dhlakama, vai reduzir as incertezas no mercado. A organização empresarial lembra que a trégua alcançada nos últimos três meses reanimou a economia, principalmente o sector dos transportes. 

“Segundo a Presidência da República, o processo da paz será concluído até final do corrente ano. Este anúncio de prazos concretos reduz a incerteza que se tinha sobre o processo da paz e aumenta a confiança do mercado. Paralelamente, e como fruto desse diálogo liderado por sua excelência Presidente da República, continuamos a desfrutar da paz no país; continuamos a fazer os nossos negócios livremente; e continuamos a sonhar livremente”, afirmou o vice-presidente da CTA, Álvaro Massingue.

“O progresso hoje alcançado demonstra que, de facto, os diversos acordos de cessação de hostilidades não foram em vão, foram, sim, o gradualismo necessário”, acrescentou Massingue, vice-presidente da Confederação.

O director-executivo-adjunto da CTA, Eduardo Sengo, admite haver problemas de comunicação, daí que alguns investidores estrangeiros continuem a pensar “erradamente” que o país está em guerra.

“Apesar de não ter havido um acordo, quem está aqui em Moçambique sabe que estamos em paz, não há guerra e qualquer um pode viajar a qualquer momento, mas quem está fora do país não tem essa informação. Então, o que nós temos que fazer é passar esta mensagem de que as coisas em Moçambique, apesar de não haver acordo final, existe um acordo intermédio que nos permite viver em paz e fazer as actividades. E neste momento temos que dizer muito mais ainda de que estamos muito próximo de chegar a esse acordo”, considera Eduardo Sengo.

A Confederação das Associações Económicas de Moçambique informa, porém, que com os últimos desenvolvimentos sobre a paz estão a permitir que os transportadores de passageiros retomem gradualmente as suas actividades.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -24-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa420