O País Online - A verdade como notícia

Quarta-feira
18 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Economia Economia Reembolso dos sete milhões preocupa distrito de Macossa

Reembolso dos sete milhões preocupa distrito de Macossa

Governo de Macossa desembolsou 63,6 milhões de meticais para financiar 1.177 projectos

O governo do distrito de Macossa, província central de Manica, está preocupado com o atraso na devolução dos valores financiados através do Fundo de Desenvolvimento Distrital (FDD), vulgo sete milhões de meticais, segundo AIM.

De 2007 a 2016, o governo desembolsou 63,6 milhões de meticais para financiar 1.177 projectos.

Deste montante, apenas 10,6 milhões de meticais já foram devolvidos, representando 16,5 por cento.

O remanescente ainda está nas mãos dos mutuários, o que embaraça as estruturas de Macossa que estudam outras formas de cobrar o dinheiro.

O administrador de Macossa, Godifri Chipaumire, disse a que dos 1.177 projectos, 682 são de produção de comida e 495 de geração de renda, beneficiando 1.018 homens e 159 mulheres. Mais de 400 benificiários são jovens com menos de trinta anos de idade.

Alguns mutuários receberam o valor e não honraram o compromisso de devolver o dinheiro que devia ser usado para financiar outras pessoas que apresentaram seus projectos já aprovados pelo Conselho Consultivo Distrital, disse o administrador.

Chefes de postos administrativos, líderes comunitários e fiscais estão a sensibilizar os mutuários para devolver os valores. Os devedores devem saber que o dinheiro tem de financiar outras iniciativas. Muita gente está à espera desse dinheiro, afirmou.

Ano passado, o reembolso foi feito com muitas dificuldades porque parte dos mutuários investiram na agricultura. Devido à seca e estiagem que assolaram Macossa e outros distritos da província de Manica, o rendimento foi menor, o que não permitiu que os produtores tivessem excedentes para comercialização.

Este ano, de acordo com o administrador, o distrito produziu mais de 65 mil toneladas de culturas diversas, acima da meta estabelecida na campanha 2016/17 que foi de 62,6 mil toneladas. Espera-se que os mutuários que dependem exclusivamente da agricultura consigam honrar com o compromisso de repor o dinheiro.

O ano em curso é diferente do passado. Os produtores conseguiram muita comida para consumo e venda. Esperamos melhorar o nível de colecta do valor. Muitos são produtores. Levaram o dinheiro para investir na agricultura, afirmou.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -17-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa419