O País Online - A verdade como notícia

Terça-feira
17 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Economia Economia Gigante africana promete levar transporte aéreo a mais moçambicanos

Gigante africana promete levar transporte aéreo a mais moçambicanos

Representante da Ethiopian Airlines diz que a companhia está no processo de sua formalização para começar a operar no país

A Ethiopian Airlines foi uma das empresas apuradas para entrar no mercado aéreo doméstico moçambicano neste ano. A companhia diz estar a preparar-se para entrar no mercado e que brevemente os moçambicanos poderão realizar viagens nos aviões da companhia. Daniel Tsige, representante da Ethiopian Airlines em Moçambique, concedeu uma entrevista ao O País Económico onde explica os motivos e estratégias que irá implementar no mercado nacional.

Segundo Daniel Tsige, a companhia aérea há muito aguardava pela entrada em Moçambique. O mercado nacional é considerado atractivo pela companhia e pode ajudá-la a crescer e desenvolver ainda mais. A entrada no país faz parte da estratégia da companhia de cimentar cada vez mais a posição de gigante africana e tornar o mercado aéreo africano dominado por companhias do continente. 

“Acreditamos que neste momento precisamos de companhias aéreas africanas fortes para que estejam presentes em África, caso contrário, os céus africanos continuarão a ser dominados por companhias não africanas”, disse Daniel Tsige. A companhia defende que o continente e as companhias aéreas tem muito potencial e muito ainda por desenvolver.

O representante da companhia etíope não revelou a data do primeiro voo, mas avançou que no momento estão no processo de formalização da companhia. “Estamos a tratar das questões formais, como a documentação, assim que tivermos toda a situação formal concluída iremos começar a operar. Esperamos concluir a formalização dentro do prazo estipulado pelo Governo. Queremos o mais breve possível, iniciar a actividade em Moçambique”, disse o representante.

O valor de investimento e da frota que será colocada no mercado doméstico nacional não nos foi avançado. A companhia pretende ganhar a preferência do mercado nacional com a oferta de serviços de qualidade a um preço acessível. “Muitos moçambicanos não estão a usar os serviços aéreos para se deslocarem. Compreendemos que as tarifas são bastante altas e essa não é a maneira de operar nas linhas aéreas, mas queremos promover preços baixos e competitivos e atraindo muitos passageiros e ter muita frequência. Essa é a forma de fazer crescer uma companhia, avançou Tsige.

Quanto à competição com as Linhas Aéreas de Moçambique (LAM), Daniel Tsige diz que não vê a companhia de bandeira nacional como concorrente, mas sim como um parceiro. “Há uma competição saudável, não teremos dois actores competindo e haverá melhoria de serviços. Não será uma questão de dominar ou destruir um ao outro”, disse Tsige. As duas companhias tem cooperado na área de formação e na parte comercial. A união entre elas é vista pela companhia como uma estratégia para tornar o mercado de aviação nacional mais robusto. 

Olhando para o mercado nacional, o representante da Ethiopian Airlines diz que alguns factores não são favoráveis para o crescimento das companhias aéreas. “Um dos problemas por nós identificado é o valor das taxas. O custo do seguro é muito caro quando comparado com os praticados em outros países em que actuamos, mesmo com a própria Etiópia por exemplo”, reclamou a fonte.

A fonte diz que este e outros factores não irão travar a entrada da companhia no país. Eles pretendem iniciar a actividade e depois juntamente com o Governo e outros intervenientes no sector irão apresentar e buscar possíveis soluções.

Tsige considera que a vinda da companhia vai impulsionar o turismo no país, porque a companhia está presente em muitos países e o acesso a Moçambique estará mais facilitado. A companhia quer ainda trabalhar com diferentes agências de viagens para fazer do país um destino turístico preferencial.

A Ethiopian é uma companhia etíope, tem a sua sede no Aeroporto Internacional Bole em Addis Abeba, iniciou as suas operações em 1945 e voa para a Europa, EUA, Canadá, Ásia e Oriente Médio, fazendo 116 destinos. Tem uma frota de 79 aviões e espera receber mais 32. É considera uma das melhores companhias aéreas africanas.


 

 

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -17-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa419