O País Online - A verdade como notícia

Sábado
21 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Economia Economia Moçambique tem a segunda pior economia em termos de competitividade

Moçambique tem a segunda pior economia em termos de competitividade

Moçambique ocupa o 136º lugar de um universo de 137 países no Índice de Conetividade Global

Moçambique perdeu três posições no Índice de Competitividade Global (ICG) 2017-2018, divulgado ontem pelo Fórum Económico Mundial (FEM), e só não tem a pior classificação do mundo porque esta posição cabe ao Yémen, que ocupa a 137.ª posição. Por outras palavras, a economia moçambicana não é competitiva, o que denuncia uma série de problemas estruturais a todos os níveis.

De acordo com o Relatório de Competitividade Global (RCG), em nenhum dos 12 indicadores avaliados Moçambique apresenta resultados satisfatórios. O desempenho mais crítico tem a ver com a degradação do ambiente macroeconómico. A pontuação de Moçambique neste pilar é de apenas 1.9, numa escala que vai até 7.0 pontos (quanto maior a pontuação melhor o desempenho do pilar avaliado). Em relação a este indicador, Moçambique ocupa o último lugar no mundo, ou seja, é o país com a pior performance macroeconómica.

A justificar esta classificação, o relatório cita a deterioração do défice orçamental do Governo, que hoje corresponde a 5.9% do Produto Interno Bruto (PIB – valor de toda a riqueza produzida em Moçambique num espaço de um ano), que terá sido ocasionada pela suspensão da ajuda externa, em Abril do ano passado, criando dificuldades de financiamento das despesas públicas, com implicações em todos os sectores.

Outros factores que determinaram a deterioração do ambiente macroeconómico incluem a subida acentuada da inflação (nível geral de preços), que apresentou uma variação anual de 19.2% no ano passado; da dívida pública, que atingiu 115% do Produto Interno Bruto; e a classificação negativa da nota da dívida do país (que sinaliza os investidores sobre a fiabilidade do país em honrar o pagamento de dívidas), medida através do ‘rating’. Há que lembrar que o ‘rating’ (classificação da dívida) foi se deteriorando à medida que Moçambique foi falhando o pagamento das prestações das dívidas que tinham sido mantidas ocultas, relativas à Ematum, Proindicus e MAM (por três ocasiões, este ano).

Crítica é também à situação da saúde e educação primária, parte das prioridades do executivo moçambicano. Aqui, Moçambique está no lugar 132. O relatório do FEM avaliou a incidência de malária (que melhorou), mas a incidência da tuberculose e do HIV/Sida continua alta, assim como a mortalidade infantil. Já a qualidade do ensino primário não conheceu melhorias e apresenta baixa pontuação - 2.1%, embora se verifique melhorias na expansão.

A nível de infra-estruturas, outra das prioridades do Governo, a situação também não é satisfatória. Relativamente à qualidade de infra-estruturas no geral, Moçambique ocupa o lugar 126 no mundo. Aqui foram avaliadas: qualidade das estradas, infra-estruturas ferroviárias, infra-estruturas portuárias, transporte aéreo, qualidade do fornecimento de electricidade, assinaturas de telefonia móvel e linhas telefónicas fixas. Não há melhoramento substancial e, em alguns casos, os indicadores até pioraram (ver tabela e gráfico circular).

No que diz respeito ao ensino superior e formação, a situação é similar à do primário: não há evolução na qualidade, apesar de se olhar para a formação como um dos pilares fundamentais do desenvolvimento. Neste aspecto, Moçambique está na 135ª posição.

O relatório avaliou, neste quadro, aspectos como taxa de matrícula no ensino secundário (único indicador que melhorou), taxa de matrícula escolar, qualidade do sistema de educação, qualidade da educação em matemática e ciências, qualidade de gestão escolar, acesso à internet nas escolas, disponibilidade de local de serviços de treinamento especializado e extensão do pessoal de treinamento.

CORRUPÇÃO E ACESSO AO FINANCIAMENTO: AS MAIORES BARREIRAS AO AMBIENTE DE NEGÓCIOS

O FEM arrola, ainda, os factores que minam o ambiente de negócios em Moçambique. Muitos não constituem novidade, mas sugerem, mais uma vez, a necessidade de mudanças estruturais a nível de políticas e da postura das instituições.

No topo da lista está o difícil acesso ao financiamento, apontado em vários fóruns de debate como um verdadeiro ponto fraco à actividade do sector privado. As taxas de juro do sistema financeiro, próximas a 30%, estão entre as mais elevadas da região. Outra fragilidade é o elevado índice de corrupção. Estudo divulgado pelo Centro de Integridade Pública (CIP), ano passado, concluiu que a corrupção custou à economia cerca de 4,9 mil milhões de dólares, nos últimos 10 anos.

Em ordem de impacto no fraco ambiente de negócios, o FEM apontou a burocracia governamental ineficiente, mão-de-obra inadequadamente formada, instabilidade política, oferta inadequada de infra-estruturas, regulamentos de trabalho restritivos, inflação, entre outros.

NA CAUDA DO MUNDO E, OBVIAMENTE, DA SADC

Haverá, certamente, preocupação em relação ao mercado da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), em processo de integração económica, dado o risco de a economia menos competitiva ser engolida pelas mais poderosas. Aliás, aqui estão países como Botswana e África do Sul, em lugares cimeiros a nível global. Neste quadro, Moçambique é chamado a empreender reformas estruturais a nível de políticas, para assegurar que o potencial existente (boa localização geográfica, 36 milhões de hectares de terras férteis, presença de recursos naturais como gás, carvão e pedras preciosas, etc.) possa criar condições para que o país seja competitivo no seio dos países da SADC.

O ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE GLOBAL

O ICG e o RCG dão-nos a conhecer o conjunto de pontos fortes e fracos, em matéria de competitividade dos países. Para o Fórum, o RCG e o ICG servem para facilitar o entendimento dos factores nucleares determinantes no crescimento económico, contribuindo, desta forma, para um melhoramento das reformas políticas, económicas e institucionais.

O ICG e o RCG são produzidos pelo Fórum Económico Mundial (FEM), fundado em Janeiro de 1971, em Genebra, sob o patrocínio da Comissão Europeia e de várias associações industriais europeias.

Empregando dados fornecidos por organismos oficiais e instituições supranacionais, entre os quais o Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial (BM), Organização das Nações Unidas (ONU) e Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), o ICG tem, na sua génese, 116 indicadores que possibilitam a contemplação de um número vasto de economias (neste caso 137). Desta forma, o ICG assume-se um índice abrangente, em comparação com os seus homólogos.

O RCG é publicado anualmente, desde 1979.


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -20-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa420