O País Online - A verdade como notícia

Segunda-feira
21 de Abril
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Economia Economia Os gigantes no pós-independência

Os gigantes no pós-independência

Empresas públicas em sectores estratégicos

Logo a seguir à independência foram criadas, a partir de fusões e outros processos, empresas públicas em sectores estratégicos, como é o caso dos transportes e comunicações, energia, indústria, seguros, entre outros. Parte significativa destas empresas liderou, pelo menos até ao ano 2000, o ranking das maiores empresas por volume de negócios. É o caso de Telecomunicações de Moçambique, Electricidade de Moçambique, Caminhos-de-Ferro de Moçambique, Linhas Aéreas de Moçambique, entre outras, cuja robustez as impede de passar despercebidas nos sectores onde se inserem.

No caso da energia eléctrica e da água, no período anterior à independência nacional, existiam os Serviços Municipalizados de Água e Electricidade (SMAE). O fornecimento de água e electricidade às populações competia aos serviços municipais da então Câmara de Lourenço Marques.

Após a independência, os dois serviços mantiveram-se unificados nos primeiros anos, até ao seu desmembramento com a criação, em 1977, através do Decreto-Lei no 38/77, de 27 de Agosto, da Empresa Nacional de Electricidade de Moçambique, E.E. , por um lado, e a criação da Empresa Águas de Maputo, E.E., por outro.

EDM

A EDM como empresa estatal foi criada em 1977, dois anos depois da independência de Moçambique. O seu objectivo era o estabelecimento e a exploração do serviço público de produção, transporte e distribuição de energia eléctrica.

Esta empresa herdou um património constituído por equipamento das mais variadas origens, modelos e tipos, em estado precário, salvo raras excepções, sem aprovisionamento de peças sobressalentes necessárias e adequadas. Ao mesmo tempo, a competência e capacidade profissional eram limitadas, e os poucos técnicos qualificados existentes começaram a abandonar a empresa.

Uma das suas primeiras tarefas foi a de agregar todos os centros de produção num corpo único, de modo a melhorar a satisfação das necessidades de energia eléctrica para o desenvolvimento da agricultura, indústria, serviços e consumo doméstico.

Primeira Companhia aérea

As Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) foram fundadas em 1936, com a designação DETA, uma divisão dos serviços portuários e ferroviários. Depois da independência, pelo Decreto 8/80, de 19 de Novembro de 1980, a DETA passou a designar-se Linhas Aéreas de Moçambique (LAM). Como LAM, esta companhia assinala este ano o seu 30 aniversário, num contexto de avultados investimentos para a restruturação da sua frota de aeronaves. Com um volume de negócios avaliado em cerca de 2,7 mil milhões de meticais em 2008, esta companhia ocupou a décima terceira posição no ranking da 100 maiores empresas de Moçambique.

Primeira Seguradora

Em 1977 surgem, através do Decreto-Lei no 38/77, de 27 de Agosto, as empresas Electricidade de Moçambique e Águas de Maputo, esta última que passou recentemente para gestão privada. No mesmo ano, o Governo cria a primeira seguradora nacional. A empresa, que viria a designar-se Empresa Moçambicana de Seguros (Emose), resultou da fusão de três ex-companhias de seguros, nomeadamente, Companhia de Seguros Nauticus, S.A.R.L.; Companhia de Seguros Lusitana, S.A.R.L.; e Companhia de Seguros Tranquilidade de Moçambique, S.A.R.L.

Com um volume de negócios estimado em pouco mais de 700 milhões de meticais, em 2008, a Emose é uma das empresas mais fortes no ramo em que opera.

Leia mais na edição impressa do «Jornal O País» 

 

publicidade

Moeda

Compra

Venda

DolarUSD30,30 30,92
Rand ZAR 2,85 2,91
EuroEUR42,2543,11
LibraGBP50,5651,58
IeneJPY0,29920,3052
Faixa publicitária
Faixa publicitária

Edição Impressa - O País Económico

Edição Impressa 237