O País Online - A verdade como notícia

Quarta-feira
29 de Julho
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Economia Economia Os gigantes no pós-independência

Os gigantes no pós-independência

Empresas públicas em sectores estratégicos

Logo a seguir à independência foram criadas, a partir de fusões e outros processos, empresas públicas em sectores estratégicos, como é o caso dos transportes e comunicações, energia, indústria, seguros, entre outros. Parte significativa destas empresas liderou, pelo menos até ao ano 2000, o ranking das maiores empresas por volume de negócios. É o caso de Telecomunicações de Moçambique, Electricidade de Moçambique, Caminhos-de-Ferro de Moçambique, Linhas Aéreas de Moçambique, entre outras, cuja robustez as impede de passar despercebidas nos sectores onde se inserem.

No caso da energia eléctrica e da água, no período anterior à independência nacional, existiam os Serviços Municipalizados de Água e Electricidade (SMAE). O fornecimento de água e electricidade às populações competia aos serviços municipais da então Câmara de Lourenço Marques.

Após a independência, os dois serviços mantiveram-se unificados nos primeiros anos, até ao seu desmembramento com a criação, em 1977, através do Decreto-Lei no 38/77, de 27 de Agosto, da Empresa Nacional de Electricidade de Moçambique, E.E. , por um lado, e a criação da Empresa Águas de Maputo, E.E., por outro.

EDM

A EDM como empresa estatal foi criada em 1977, dois anos depois da independência de Moçambique. O seu objectivo era o estabelecimento e a exploração do serviço público de produção, transporte e distribuição de energia eléctrica.

Esta empresa herdou um património constituído por equipamento das mais variadas origens, modelos e tipos, em estado precário, salvo raras excepções, sem aprovisionamento de peças sobressalentes necessárias e adequadas. Ao mesmo tempo, a competência e capacidade profissional eram limitadas, e os poucos técnicos qualificados existentes começaram a abandonar a empresa.

Uma das suas primeiras tarefas foi a de agregar todos os centros de produção num corpo único, de modo a melhorar a satisfação das necessidades de energia eléctrica para o desenvolvimento da agricultura, indústria, serviços e consumo doméstico.

Primeira Companhia aérea

As Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) foram fundadas em 1936, com a designação DETA, uma divisão dos serviços portuários e ferroviários. Depois da independência, pelo Decreto 8/80, de 19 de Novembro de 1980, a DETA passou a designar-se Linhas Aéreas de Moçambique (LAM). Como LAM, esta companhia assinala este ano o seu 30 aniversário, num contexto de avultados investimentos para a restruturação da sua frota de aeronaves. Com um volume de negócios avaliado em cerca de 2,7 mil milhões de meticais em 2008, esta companhia ocupou a décima terceira posição no ranking da 100 maiores empresas de Moçambique.

Primeira Seguradora

Em 1977 surgem, através do Decreto-Lei no 38/77, de 27 de Agosto, as empresas Electricidade de Moçambique e Águas de Maputo, esta última que passou recentemente para gestão privada. No mesmo ano, o Governo cria a primeira seguradora nacional. A empresa, que viria a designar-se Empresa Moçambicana de Seguros (Emose), resultou da fusão de três ex-companhias de seguros, nomeadamente, Companhia de Seguros Nauticus, S.A.R.L.; Companhia de Seguros Lusitana, S.A.R.L.; e Companhia de Seguros Tranquilidade de Moçambique, S.A.R.L.

Com um volume de negócios estimado em pouco mais de 700 milhões de meticais, em 2008, a Emose é uma das empresas mais fortes no ramo em que opera.

Leia mais na edição impressa do «Jornal O País» 

 

"Obstáculos são aqueles perigos que você vê quando tira os olhos de seu objectivo."

 

Henry Ford

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicidade

Moeda

Compra

Venda

DolarUSD37,72 38,48
Rand ZAR 3,00 3,06
EuroEUR41,7842,61
LibraGBP58,7559,93
IeneJPY0,30690,3131

Edição Impressa e O Tempo

   
Edição Impressa O Tempo

Edição Impressa 29-07-2015

 

Maputo

 

Inhambane

  Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa - O País Económico

Edição Impressa 301