O País Online - A verdade como notícia

Domingo
23 de Abril
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Entrevistas

Entrevistas

“Tenho saudades do futebol, do espectáculo e de estádios lotados”

“Tenho saudades do futebol, do espectáculo e de estádios lotados”

Foi um dos melhores médios ofensivos e avançado que Moçambique produziu, marcou vários golos, de muito belo efeito, e teve uma carreira desportiva notável que o levou a jogar em Portugal pelas mãos do Sporting. Calton Banze é um dos principais emblemas do Desportivo de Maputo, e hoje um dos emblemas da formação no clube “alvi-negro”.

Ler mais...
Daniel Rodrigues: o World Press Photo comprometido com a causa humana

Daniel Rodrigues: o World Press Photo comprometido com a causa humana

As diferentes facetas e condições do Homem interessam ao fotojornalista português vencedor do World Press Photo, na categoria “Daily Life”, em 2013. Investindo num traço sombrio, Daniel Rodrigues espera que a fotografia aproxime culturas e mostre que não é preciso muito para se ter uma vida normal. Por isso, para o português, a fotografia é, igualmente, uma maneira de pensar o mundo.

Ler mais...
“Solução está em definir prioridades em momentos de crise”

“Solução está em definir prioridades em momentos de crise”

Economista e antigo Ministro da Administração Estatal, o professor José Chichava advoga que só as medidas monetaristas tomadas pelo Banco Central não conseguirão debelar a crise em que se encontra o país, porque não dependem apenas de Moçambique. E defende que o Governo deve, outrossim, tomar medidas tendentes ao aumento da produção agrícola interna, mas através de um esforço selectivo e que não coloque em causa os níveis básicos de bem-estar da população

Ler mais...
“Os mediadores não são os donos do nosso problema”

“Os mediadores não são os donos do nosso problema”

Afonso Dhlakama diz que cabe ao governo e à Renamo devolver a paz e não aos mediadores. Numa entrevista ao “O País”, o líder da Renamo confirma a autoria de todos os ataques no país e garante que tem controlo dos seus homens

Ler mais...
“Banco Central tomou a medida mais errada”

“Banco Central tomou a medida mais errada”

O economista Roberto Júlio Tibana desaprova o aumento das taxas de juro e sugere que a resolução da dívida está no corte das despesas do Estado. E na paz que é obrigatório alcançar.

Ler mais...
“Deve haver descentralização de alta intensidade”

“Deve haver descentralização de alta intensidade”

Boaventura de Sousa Santos, sociólogo conhecedor da realidade moçambicana, analisa os principais acontecimentos do país. Defende a descentralização, democracia, combate à corrupção e direitos humanos

Ler mais...
“O modelo societário do país não privilegia a cultura”

“O modelo societário do país não privilegia a cultura”

A literatura é uma manifestação cultural que amplia saberes quando é tida como prioritária. No entanto, na opinião de António Cabrita, Moçambique não é um exemplo de país que luta pelas letras. Aliás, o poeta e escritor considera que o país não possui um modelo societário que privilegie a cultura. E defende que não pode haver escritores esclarecidos sem um estudo apurado da literatura, “daí que a maior parte dos nossos autores não conhece a poesia, do ponto de vista do saber”. Tal cenário, para Cabrita, é motivado pela conjuntura sócio-económica que não é favorável; por exemplo, um professor universitário não pode comprar livros, diz, porque o que ganha corresponde ao salário de uma empregada doméstica, noutros países. Mas o problema também deve-se ao facto de as bibliotecas estarem mal providas e por não existir uma inspecção que circule pelas livrarias de modo que garanta que o livro seja vendido a um preço razoável. E o poeta não se prende à escrita literária. Porque o mundo é o seu espaço, nesta intervenção o autor de Éter partilha uma opinião particular sobre as acções do Estado Islâmico e do que faz de Mugabe um exemplo da degeneração dos valores.

Ler mais...
“Chefe de Estado deve liderar diálogo público-privado”

“Chefe de Estado deve liderar diálogo público-privado”

A menos de uma semana da Conferência Anual do Sector Privado (CASP), o empresariado não está satisfeito com o rumo das reformas que visam melhorar o ambiente de negócios. O “chefe dos patrões”, Rogério Manuel, afirma que o Chefe de Estado, Filipe Nyusi, deve liderar o diálogo público-privado para que os Ministérios tomem medidas que facilitem os negócios. Mais: o Presidente da CTA quer que Nyusi demita os ministros que não cumpram as metas de reforma do ambiente de negócios. Por falta de seriedade. Com a XIV CASP marcada para 28 de Julho, o Presidente da CTA falou dos temas que vão dominar a conferência, sendo que a crise actual será incontornável. Os debates serão animados por oradores nacionais e estrangeiros, mas Rogério Manuel diz que a superação da crise passa por proteger o produtor nacional, sobretudo agrícola.

Ler mais...
“A literatura adocica a vida das pessoas”

“A literatura adocica a vida das pessoas”

Luís Cezerilo vive a arte literária nas suas múltiplas dimensões. Para o poeta e professor, a escrita tem o poder de adocicar a vida das pessoas e libertar nelas o que têm de melhor. Por isso, o autor de “O arrumador de luzes” defende a necessidade de o país massificar o livro, pois a escrita funciona como um elemento de educação. Portanto, Luís Cezerilo encara a literatura como esse processo de transmissão de mensagens onde as pessoas são chamadas a sair da sua sonolência para que se tornem grandes, ao nível da alma, através da partilha e da busca pela autenticidade.

Ler mais...
“O problema foi usar a dívida como uma mina”

“O problema foi usar a dívida como uma mina”

O economista Carlos Nuno Castel-Branco afirma que a dívida de Moçambique, além de insustentável, é ilícita e que, por isso, não deve ser paga. E lamenta que os avisos para a situação actual não tenham sido ouvidos, mas antes ridicularizados, principalmente na era Guebuza, o que talvez possa acontecer agora, servindo para repensar o modelo económico do país. Depois de haver uma auditoria independente.

Ler mais...
“Não volto a escrever. Basta!”

“Não volto a escrever. Basta!”

É a escritora mais incisiva no universo literário moçambicano. Começou a publicar por volta de 1984 e, em 1990, lança seu primeiro livro: Balada de amor ao vento. A partir daí, nunca mais cedeu. Vieram mais e muitos livros que a levaram a conquistar o mundo, com muitos aborrecimentos pelo meio, pois a autora nunca se sentiu compreendida no seu país. Também, por isso, Chiziane resolveu abandonar a escrita porque está cansada das lutas travadas ao longo dos 26 anos de carreira. Nesta entrevista, além da escritora se despedir dos seus leitores, estabelece uma leitura sobre os textos que caracterizam a sociedade moçambicana, tocando na religião, na identidade e na liberdade.

Ler mais...
“São os poetas que nos trazem a forma mais nobre de usar a língua”

“São os poetas que nos trazem a forma mais nobre de usar a língua”

O poder da literatura não se esgota no valor estético. Em harmonia com as letras há toda uma educação que se liberta de quem lê, sobretudo quando o acto da leitura é introduzido ainda em tenra idade. Raciocinando assim, o Professor de Literatura e Presidente do Fundo Bibliográfico de Língua Portuguesa, Nataniel Ngomane, defende que se volte a apostar nos textos literários como veículo para garantir o domínio da língua portuguesa, pois, na sua percepção, são os poetas que nos trazem a forma mais nobre e elevada de usar a língua e, através da literatura, as pessoas são introduzidas no seu próprio mundo. Só assim, na óptica do professor universitário, é possível combater a deficiência, de uma maneira geral, em termos de domínio da língua portuguesa que afecta os moçambicanos, o que implica reverter a tendência que o país tem em supervalorizar as áreas, por exemplo, da indústria extractiva e das engenharias e subalternizar as áreas das línguas. De acordo com Nataniel Ngomane, o conhecimento é importante e poderoso, de modo que as pessoas não sejam barradas das suas escolhas. E disse mais, ao avaliar as letras moçambicanas: “há muito lixo publicado no país, quer ao nível literário quer ao nível académico”.  

Ler mais...
   “Queremos infra-estruturas e incentivos para investir no Niassa”

“Queremos infra-estruturas e incentivos para investir no Niassa”

Niassa é a província mais distante dos grandes centros de tomada de decisão do país, onde as infra-estruturas de todo o tipo mais escasseiam. Em entrevista com Fanequisso Maurício, jovem empreendedor nativo daquela província, ficamos a saber os principais anseios dos jovens: estímulos para investir e criar auto-emprego

Ler mais...
“A poesia é uma maneira de pensar e de conhecer”

“A poesia é uma maneira de pensar e de conhecer”

Juvenal Bucuane é dos rostos mais relevantes da Geração Charrua. Escreve há 40 anos. E, durante o percurso literário, lançou uma dezena de livros. Um deles é intitulado “O fundo pardo das coisas”, o qual sublinha que a alma do poeta assenta numa base familiar. 

Ler mais...
Página 4 de 33

Fotogaleria: DIA DOS HERÓIS MOÇAMBICANOS

CHISSANO-E-GUEBUZA.jpg

Link Externo Esta ligação irá abrir o SAPO Fotos.

Fotogaleria :VISITA DE RECEP ERDOGAN A MOÇAMBIQUE

Destaque3.jpg

Link Externo Esta ligação irá abrir o SAPO Fotos.

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -21-04-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa 393