O País Online - A verdade como notícia

Quarta-feira
20 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Entrevistas

Entrevistas

 “Cinema africano é dinâmico!”

“Cinema africano é dinâmico!”

Actor de renome internacional analisa a sétima arte no continente

Ler mais...
Certos empresários achavam-se intocáveis

Certos empresários achavam-se intocáveis

Ministra do Trabalho e as inspecções às empresas

Ler mais...
O TPI não tem como alvo líderes africanos

O TPI não tem como alvo líderes africanos

Segundo Sylvia Figueiredo, juíza do Tribunal Penal Internacional

Ler mais...
Governo sacrificará projectos para pagar eleições

Governo sacrificará projectos para pagar eleições

Lucas Chomera e as alternativas caso doadores não dêem dinheiro

Ler mais...
“É preciso saber gerir a fama”

“É preciso saber gerir a fama”

Cinema: Lázaro Ramos fala do ofício de representar

Ler mais...
“Não temos ambição de ser o número um ou número dois”

“Não temos ambição de ser o número um ou número dois”

“Nós estamos a emitir sinais de crescimento sustentado nos resultados que tivemos este ano...”

Ler mais...
 “Juventude e desportos estão num bom caminho”

“Juventude e desportos estão num bom caminho”

Carlos de Sousa analisa com satisfação o mandato que está prestes a terminar

Ler mais...
Ponte entre Maputo e Catembe está para breve

Ponte entre Maputo e Catembe está para breve

O edil de Maputo diz que encontrou o município bem,

Ler mais...
Há espaço para terceiro operador de telefonia móvel no país

Há espaço para terceiro operador de telefonia móvel no país

O espaço aéreo nacional estará liberalizado ainda este ano,

Ler mais...
Alternativa à linha de Sena é o Corredor de Nacala

Alternativa à linha de Sena é o Corredor de Nacala

A linha de Sena transportará o carvão explorado pela Vale e Riversdale,

Ler mais...
PIC não está preparada para o combate ao crime

PIC não está preparada para o combate ao crime

Ministra da Justiça faz uma radiografia ao seu sector

Ler mais...
Imposições de doadores são cada vez menos chocantes

Imposições de doadores são cada vez menos chocantes

"Problema com os doadores é mais de ritmo do que de princípio"

Ler mais...
Pobreza será reduzida para 45%

Pobreza será reduzida para 45%

O ministro da Planificação e Desenvolvimento diz, em entrevista, que a concretização dos projectos de refinaria de Nacala e de areias pesadas de Chibuto está a tardar devido à crise financeira   O Ministério da Plani­ficação e Desenvolvi­mento é um órgão cen­tral do aparelho do Estado, que dirige e coordena o processo de planificação e orienta acções para o desenvolvimento socioe­conómico integrado e equilibra­do do país. Estamos em 2009, ano do término da fase de im­plementação do PARPA II. De um modo geral, quais foram as grandes realizações alcançadas com a implementação do PAR­PA II? De uma maneira geral, a opera­cionalização do Programa Quin­quenal do Governo 2005/2009 vai terminar este ano e tínha­mos, como grande objectivo, a redução da pobreza de 54%, em 2003, para 45%, em 2009. Neste momento está-se a fazer um le­vantamento para se aferir o ní­vel em que estamos e, com base numa análise empírica, acredita­mos que conseguimos reduzir o nível de pobreza. Mas há instru­mentos, por exemplo, inquéritos às famílias feitos pelo Instituto Nacional de Estatística, que de­vem ser usados para se saber até que ponto conseguimos reduzir a pobreza. eesse trabalho está a decorrer. Fizemos a operaciona­lização do Mecanismo Africano de Revisão de Pares (MARP), que consiste numa auto-ava­liação a níveis do Governo, das empresas e da sociedade. Temos a reabilitação da linha de Sena, que é um outro sector extrema­mente importante para a nossa economia. Temos a construção da ponte sobre o rio Zambeze. Estas são algumas das grandes realizações que estavam pre­vistas no plano quinquenal do Governo e plasmadas no PARPA II e que foram concretizadas ao longo desse período. Refere-se que mais de meta­de da população moçambicana (54%) vive abaixo da linha da pobreza. Será que com o fim do PARPAII, cujas projecções apontavam para a redução da pobreza para 45%, pode dizer-se que já é mais de metade da população que não vive abaixo da linha de pobreza? Cremos que sim. Porque, pri­meiro, temos de ter em conta que estamos a sair de uma si­tuação bastante difícil. A nos­sa população apresentava uma taxa de 54% em termos de pre­valência de pessoas que viviam abaixo da linha de pobreza. De 2003 a 2009, queríamos reduzir para 45%. É um grande desa­fio para todos nós. É claro que o tempo não é suficiente, mas cremos que, em função daquilo que é a dinâmica da economia, estamos a crescer entre 7 e 8% anualmente. Acreditamos que esses 45% são posssíveis de ser alcançados. Os dados que indicam que houve redução de 15% da po­breza foram obtidos em 2002/3 e foi quase nesse período que iniciou a implementação do PARPAI (aprovado em Abril de 2001 com efeito no orçamento de 2002). não acha que é tecni­camente insustentável associar a redução de 15% ao PARPA I? Como é que se explica que essa redução se tenha devido à im­plementação do PARPA I? Temos a esclarecer que, na avaliação que fizemos em 2004, não recorremos às técnicas que estamos a usar agora. refiro-me às técnicas do INE, recomenda­das a nível internacional e que consistem em inquéritos às fa­mílias sobre a pobreza, os rendi­mentos, (...). O que fizemos foi aferir o nível em que estávamos em função do nosso nível alcan­çado em 2003. No ano em que acabávamos de sair da guerra e, de acordo com as informações disponíveis, achamos que era possível alcançar os 45%. Temos mapeado os distritos e postos ad­ministrativos do país, para saber o nível de pobreza existente nes­ses locais, e apura-se que os ín­dices de prevalência de pobreza são gritantes. Como é que o discurso do Go­verno, quando fala da redução da pobreza absoluta, principal­mente da questão do PARPA I, sempre refere que a redução de 69% para 54% é resultado do PARPA I? É resultado do PARPA I por­que tínhamos, em 1992, indica­dores correspondentes a 69%. Até 2003, conseguimos sair de 69% para 54%. E, agora, de 2003 para 2009, estamos a sair de 54% para 45%, precisamente devido ao trabalho que foi feito e aos investimentos aplicados na área social e rural. É por aí que o nosso programa prevê que, em 2009, iremos atingir os 45%. O que virá a seguir ao PARPA II? Será o PARPA III ou existe uma outra perspectiva em ter­mos de planificação? O PARPA III é um nome que vai operacionalizar o programa quin­quenal do Governo 2010-2014. Uma das grandes preocupa­ções no combate à pobreza em Moçambique está relacionada com o facto da pobreza rural es­tar a reduzir e a pobreza urbana estar a crescer. Que medidas es­tão a ser implementadas para a inversão desse cenário? A pobreza urbana é combatida criando condições a nível rural. Aquilo que está a ser feito hoje visa combater a pobreza rural para que todos não saiam do campo para a cidade só porque gostam da cidade. Devem sair do campo porque vão à procura de melhores condições. E, se essas condições forem criadas a nível local, as populações vão perma­necer nos seus locais de origem. O Governo está a atacar estas in­suficiências, criando condições para que o fluxo campo-cidade se reduza, mas ainda ocorre esse fluxo porque os nossos recursos são escassos, apesar do trabalho que está a ser feito, no sentido de se criar condições a nível rural. Só para citar um exemplo, temos o caso da alocação dos “7 mi­lhões” que visa, essencialmente, incentivar os empreendedores existentes a nível do campo. O Instituto de Desenvolvi­mento Cruzeiro fez um estudo na zona norte do país (Niassa, Cabo Delgado e Nampula) e chegou à conclusão de que es­sas foram as províncias que, nos últimos anos, mais benefícios ti­veram em termos de infra-estru­turas, como estradas, escolas e postos de saúde. Mas as mesmas não são as mais ricas. Como ex­plica este facto? Constatou-se que a estraté­gia de desenvolvimento com base nas infra-estruturas não é suficiente para o combate à po­breza. O Governo está a fazer a parte que lhe cabe, mas como não pode trabalhar sozinho para o desenvolvimento do país, existem os seus parceiros que são o sector privado. Portanto, criámos as condições básicas como, por exemplo, as infra-estruturas, para atrair o sector privado embora, muitas vezes, o mesmo não esteja nas mesmas proporções que o Governo. Nós criámos a zona franca de Belu­luane, que tem boas condições infra-estruturais, mas muitas empresas que operam lá são estrangeiras. Infelizmente, o nosso sector privado está descapitalizado.   Mercados agrícolas Ainda neste quinquénio, foi lançado o Programa de Apoio aos Mercados Agrí­colas (PAMA) e assinado o financiamento do Programa de Promoção de Mercados Rurais (PROMER), a serem implementados no Corredor de Nacala, cobrindo cerca de 15 distritos, com vista a reforçar as redes comerciais nas zonas rurais no país. Quais têm sido os resultados da implementação destes programas? Esses são programas em que trabalhamos com o Fun­do Internacional de Desen­volvimento Agrícola e que vieram substituir um outro programa, que vínhamos apoiando até ao ano passa­do e que permitiu a abertu­ra de algumas estradas em alguns distritos, principal­mente, aquelas estradas que ligam as áreas de produção e consumo. Foi através des­se programa que ajudámos o município de Maputo a construir o mercado gros­sista do Zimpeto e, nessa segunda versão, são cerca de 40 milhões de dólares. afilosofia continua a mesma de permitir que o que for produzido a nível do distrito tenha o mercado necessário. Portanto, que seja possível escoar através da organiza­ção de feiras, abertura de estradas terciárias, sensibi­lização dos camponeses em relação às novas técnicas de produção. Em suma, são complementos do programa dos “7 milhões”.   Investidores redesenham engenharias de financiamento em face da crise De 2006 a 2007, no âmbito de tornar o distrito como pólo de desenvolvimento, houve várias transformações. Temos, por exemplo, a questão dos con­selhos consultivos. Houve um programa nacional de educa­ção cívica para consciencializar os residentes nos distritos em relação a estas novas dinâmi­cas que estão a ser implemen­tadas? Há um trabalho que está a ser feito à medida que a descentra­lização está a ser implementada no terreno, que é resultado de um movimento a nível das pró­prias comunidades. Esse mo­vimento é feito com o envolvi­mento de pessoas reconhecidas a nível do bairro pelo seu poder económico ou pela sua influên­cia social. Trata-se de pessoas que são escolhidas num uni­verso de 40 a 50 pessoas depen­dendo do distrito. E, conforme está previsto, o administrador tem que consultar essas pessoas criando uma inter-relação entre os programas. “Sete milhões” A aplicação do Fundo de In­vestimento de Iniciativa Local (FIIL) continua a alimentar acesos debates. Num encon­tro que decorreu este ano, em Nampula, revelou-se que fo­ram investidos cerca de 200 mi­lhões de dólares neste fundo, mas sabe-se que o nível de re­embolso não é satisfatório. Em 2008, falava-se de 5 a 20%. O que é que está a ser feito para se alterar este cenário? Estamos a trabalhar a níveis central e distrital. Em 2006, quando se alocou o Orçamento de Investimento de Iniciativa Local (OIIL), que são os 7 mi­lhões, questionaram-nos sobre a uniformidade do valor para distritos diferentes. Tínhamos de encontrar indicadores que diferenciassem os distritos e a nossa tarefa era operacionali­zar o princípio político de dis­trito pólo de desenvolvimento. Em 2008, já tínhamos escritó­rios para facilitar a alocação dos valores e já havia clareza sobre a importância do plano. Alguns abriram estradas, ou­tros construíram residências para funcionários, mas, em 2007, a prioridade foi a produ­ção de comida e a criação de emprego. Nos relatórios do impacto do OIIL, fala-se de milhares de empregos que foram criados. O que isso significa? Será que estamos a falar de criação de novos postos de emprego ou foram potenciados os mesmos postos de emprego? Isto tem a ver com cerca de 110 mil postos de emprego que foram criados até ao ano passa­do, o que significa que há novos empregos. Aqueles que recebe­ram o montante estão empre­gados e já empregaram outras pessoas. Todos esses são novos empregos criados. Alguns bancários já apare­cem publicamente a dizer que seria mais viável se esses re­cursos fossem confiados a ins­tituições financeiras, para que concedessem créditos às activi­dades a serem realizadas nes­tes distritos. Qual é a posição do Governo em relação a este assunto? Sempre tivemos instituições financeiras no nosso país. Dos 128 distritos, cerca de 45 é que têm bancos. O Governo tem duas linhas: uma linha de apoio às finanças rurais e a linha dos sete milhões. Pode não ser viá­vel entregar esse dinheiro aos bancos porque, primeiro, eles não cobrem todos os distritos; segundo, precisam de alguma garantia para ceder dinheiro por empréstimo. Acrise financeira internacio­nal está a inviabilizar uma série de projectos, que contribuiríam para o aumento da riqueza e de emprego no país. Além disso, há previsões segundo as quais o continente africano será o mais afectado pelo fenómeno. Projectos como a construção de refinarias de petróleo em Maputo e em Nampula estão paralisados devido à crise. Por outro lado, há indicações de que o tráfego de passageiros, sobretudo de turistas, reduziu 25% nos aeroportos nacionais Até que ponto esta crise está a afectar o país e as contas do Estado? Quais são os sectores mais vulneráveis? A crise tem três portas de en­trada para o nosso país: a pri­meira porta é através do nosso orçamento, que vive à custa dos nossos parceiros internacionais. Felizmente, até agora não há si­nais de alarmes. Os compromis­sos feitos para 2009 mantêm-se e, relativamente ao ano 2010, os nossos parceiros pronunciar-se-ão dentro de duas semanas. A segunda porta é relativa a pro­gramas sectoriais do Governo nas áreas da educação, saúde e, felizmente, também a este nível os compromissos mantêm-se. A terceira entrada está relacio­nada com os investimentos ex­ternos, nos quais temos alguns sinais que precisam de muita atenção. Trata-se de sinais re­lativos a alguns projectos, cujos proponentes estão a fazer a veri­ficação da monitorização finan­ceira para a sua aplicação, (...). Mas essas são cautelas que os in­vestidores estão a tomar, redese­nhando a engenharia financeira dos projectos. Um dos projectos é o da refinaria de Nacala, que ainda não avançou, e temos o das areias pesadas de Chibuto. Nestes dois projectos teremos de esperar mais um pouco. A Autoridade Tributária dis­se, recentemente, que poderá haver uma queda de 100 milhões de dólares nas receitas devido à crise financeira internacional. Quanto é que o país está a per­der, ou já perdeu, devido à crise financeira internacional? Pode exemplificar-se com o caso da Mozal, que é um grande exportador. Só por se ter bai­xado o preço do alumínio no mercado internacional, as recei­tas do Estado também saem a perder. Mas a situação está a ser normalizada e a nossa balança de pagamento irá melhorar. Como é que estão a decorrer os desembolsos ao Orçamento do Estado e aos projectos secto­riais, tendo em conta a presen­te crise? O desembolso está a decorrer normalmente. Os projectos que foram planificados, tanto os que dependem do financiamento do Estado como os que dependem dos parceiros de cooperação, estão a ser financiados normal­mente. Há dados segundo os quais, na província de Nampula, as populações deixaram de con­sumir outros tipos de alimen­tos e recorrem à mandioca como estratégia de poupança. Neste caso, está-se a criar um outro problema que é a subnu­trição. Como é que analisa esta situação? Nas nossas comunidades, ain­da que as pessoas se alimentem quase sempre de mandioca, há muita diversidade de alimen­tos disponíveis. Às vezes, é uma questão de hábito, porque há zonas em que não se come alfa­ce, não se come cacana, que são alimentos bastante nutritivos. E a questão que existe é a da ne­cessidade de uma educação nu­tricional.   Microfinanças Segundo o Balanço do PES de 2008, no mesmo ano, exis­tiam cerca de 32 instituições microfinanceiras formais nas zonas rurais, 15 institui­ções informais e cerca de 3.008 grupos de poupança e crédito, baseados na comu­nidade (ASCAS), de modo a que todo o sistema de micro­finanças beneficie cerca de 243.293 clientes... Queremos expandir mais. Aliás, em 2007, conseguimos atingir 100 clientes de mi­crofinanças. Temos um pro­grama de apoio às finanças rurais e está adstrito ao fundo de rentabilização económica, FARO, que é tutelado pelo ministério da Planificação e Desenvolvimento. O nosso objectivo é estimular aquelas agências que querem operar a nível local. E, o tipo de es­tímulo que damos é o finan­ciamento a essas instituições microfinanceiras. Não damos financiamento a retalho. O que fazemos é financiar as instituições microfinanceiras, e essas, por sua vez, vão finan­ciar as populações. Até 2008, tínhamos 250.000 clientes. Está em curso a revisão do documento final da Estraté­gia de Finanças Rurais em Moçambique (EFR), para a sua aprovação em 2009. Que medidas inovadoras este do­cumento poderá oferecer para a aceleração da expan­são dos serviços financeiros para as zonas rurais? A nossa preocupação é ex­pandir para mais beneficiá­rios. A inovação é torná-las mais flexíveis no sentido da sua extensão territorial e das exigências que são necessá­rias, e naqueles elementos que o Governo pode partici­par através dos subsídios nas taxas de juro, porque, muitas vezes, essas instituições pra­ticam taxas de juro bastante elevadas, incomparáveis com a dos bancos comerciais. en­tão, negociámos no sentido de se superar essas limitações.

Página 33 de 34

Fotogaleria: DIA DOS HERÓIS MOÇAMBICANOS

DESTAQUE..jpg

Link Externo Esta ligação irá abrir o SAPO Fotos.

Fotogaleria :VISITA DE RECEP ERDOGAN A MOÇAMBIQUE

Destaque4.jpg

Link Externo Esta ligação irá abrir o SAPO Fotos.

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -20-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa414