O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
28 de Julho
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Internacional Internacional Prémio Mo Ibrahim novamente sem vencedor

Prémio Mo Ibrahim novamente sem vencedor

Prémio foi lançado em 2006, mas até agora só foi atribuído quatro vezes

O Prémio Ibrahim para a Excelência na Liderança Africana de 2016 voltou a não ter um vencedor, anunciou esta terça-feira, em Londres, o comité responsável pela escolha, que vincou que a decisão foi tomada após “criteriosa ponderação”.

Todos os anos são candidatos ao prémio ex-chefes de Estado ou de governo africanos que cessaram funções nos três últimos anos civis (neste caso, entre 2014 e 2016) após terem sido democraticamente eleitos e cumprido o seu mandato de acordo com a constituição do país.

O prémio foi lançado em 2006, mas até agora só foi atribuído quatro vezes, duas das quais a antigos chefes de Estado lusófonos: Joaquim Chissano, de Moçambique, em 2007, e Pedro Pires, de Cabo Verde, em 2011.

Festus Mogae, do Botswana (2008), e Hifikepunye Pohamba, da Namíbia (2014), foram os dois outros laureados, enquanto Nelson Mandela foi distinguido como vencedor honorário inaugural, em 2007.

No júri fazem parte Graça Machel, presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade (FDC), Aicha Diallo, ex-ministra da Educação da Guiné, Martti Ahttisaari, ex-presidente da Finlândia, Mohamed El-Baradei, antigo director-geral da Agência Internacional de Energia Atómica, a ex-presidente da Irlanda Mary Robinson, e Festus Mogae.

Criado pela Fundação Mo Ibrahim, financiada pelo empresário sudanês com o mesmo nome, o prémio pretende oferecer segurança monetária a dirigentes africanos que abandonem o poder.

O valor do prémio, no valor total de cinco milhões de dólares norte-americanos (4,72 milhões de euros no câmbio actual), é distribuído durante dez anos em parcelas de 500 mil dólares (472 mil euros).

O que alega a organização

“Tal como sublinho, todos os anos, foi deliberadamente estabelecida uma fasquia muito alta aquando do lançamento do prémio em 2006. Reconhecemos e aplaudimos os importantes contributos que muitos líderes africanos deram para a mudança positiva nos seus países. Porém, o prémio visa distinguir e celebrar a liderança verdadeiramente excepcional, o que, por definição, é invulgar”, justificou o presidente do colectivo, Salim Ahmed Salim.


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -28-07-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa401