O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
28 de Julho
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Internacional Internacional Presidente nigeriano regressa após seis semanas hospitalizado em Londres

Presidente nigeriano regressa após seis semanas hospitalizado em Londres

Vice-presidente continuará a assumir a gestão política do país

O Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, regressou hoje ao país depois de uma ausência de um mês e meio por razões médicas, que levantou questões sobre o seu estado de saúde, assim como apelos à sua resignação.

Buhari disse aos jornalistas que o vice-presidente, Yemi Osinbajo, continuará a assumir a gestão política do mais populoso país africano nos próximos dias, revelou alguns detalhes sobre o seu estado de saúde, como ter sido sujeito a transfusões de sangue, e reconheceu não estar tão doente há décadas.

"Sinto-me muito melhor agora", afirmou, no entanto, de acordo com a agência Associated Press.

Havia até agora poucos detalhes sobre a saúde do chefe de Estado da Nigéria, desde que viajou para Londres a 19 de Janeiro, para exames médicos de rotina, e com o regresso previsto para o início de Fevereiro, de acordo com as informações então fornecidas pelo Governo nigeriano. Buhari, 74 anos, acabou por ficar fora do país em tratamentos durante semanas enquanto a ansiedade aumentava na Nigéria, cuja economia contraiu no ano passado, pela primeira vez desde há um quarto de século, e que enfrenta ainda uma crise de segurança sob a ameaça do grupo radical islâmico Boko Haram.

As próximas eleições presidenciais e legislativas na Nigéria foram agendadas para fevereiro de 2019, de acordo com um anúncio feito hoje pela Comissão Nacional de Eleições do país (INEC).

O INEC explicou que o anúncio da data das eleições com esta antecedência se destina a "permitir o planeamento adequado por parte da comissão, partidos políticos, agências de segurança, candidatos e instituições".

As eleições presidenciais e para o parlamento foram agendadas para 16 de Fevereiro de 2019, e as eleições regionais e locais foram marcadas para duas semanas depois, em 2 de Março.


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -28-07-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa401