O País Online - A verdade como notícia

Segunda-feira
25 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Internacional Internacional Guarda-costas matam ministro somali por engano

Guarda-costas matam ministro somali por engano

Ministro de Serviços Públicos e Reconstrução da Somália foi morto após ter sido confundido com um terrorista

As forças de segurança que escoltavam o auditor-geral da Somália mataram por engano o ministro de Serviços Públicos e Reconstrução do país, Abbas Abdullahi Sheikh Siraji, após confundirem-no com um terrorista. Segundo a Polícia, o membro do governo, que também era deputado, foi baleado porque seu carro estava bloquear o caminho perto do palácio presidencial e acabou sendo tratado como um possível veículo usado para um ataque, segundo escreve o Notícias ao Minuto. O capitão Mohamed Hussein disse que os guarda-costas que escoltavam Nur Farah dispararam sobre um carro que transportava o ministro das Obras Públicas e Reconstrução nas proximidades de um posto de controlo, mas que ainda não está claro o que desencadeou o tiroteio.

As preocupações com a segurança são elevadas na capital da Somália, Mogadíscio, uma vez que o grupo Al-Shabaab continua a atacar o palácio, instalações militares e hotéis, com viaturas carregadas de explosivos e conduzidas por suicidas, além de outras acções.

O carro que transportava o ministro se aproximou da viatura que levava o auditor-geral, pondo-se a segui-lo, o que levou os guarda-costas deste a dispararem, disse Hussein. Os guarda-costas do ministro responderam ao fogo. Um outro ministro, que estava no carro com o governante que foi morto, sobreviveu, avançou Hussein.

O novo governo da Somália tomou posse no fim de Março, depois do presidente, Mohamed Abdullahi Mohamed, ter sido eleito, em Fevereiro. O ministro que foi morto era um antigo refugiado, que passou grande parte da sua vida num campo no Quénia, e era o membro mais jovem do novo governo.


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -22-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa415