O País Online - A verdade como notícia

Quinta-feira
17 de Agosto
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Internacional Internacional França pretende mediar a crise entre o Qatar e os países do Golfo

França pretende mediar a crise entre o Qatar e os países do Golfo

O chefe da diplomacia Francesa está na região do Golfo para dar apoio na mediação da crise entre o Qatar e os seus vizinhos

A França decidiu desempenhar o papel de mediador na crise que opõe o Qatar aos seus vizinhos do Golfo. A missão foi incumbida ao Ministro dos Negócios Estrangeiros da França, Jean-Yves Le Drian.

No seu primeiro dia de viagem, Jean-Yves Le Drian escalou as capitais do Golfo foi Doha, onde se avistou com o seu homólogo Mohammed bin Abdulrahman, e levou consigo uma mensagem da França de apaziguamento à região.

Depois do encontro, o chefe dos diplomatas franceses declarou nomeadamente que a intenção da França é facilitar a mediação no conflito político-diplomático que coloca frente a frente o Qatar e os seus vizinhos árabes, dos quais a Arábia Saudita, acusa Doha de ser a fonte de financiamento do terrorismo islamita internacar e imposto bloqueios ao país, acusando-o de apoiar o terrorismo e de manter relações demasiado estreitas com o Irão xiita.

No seu périplo de quatro dias pela região do Golfo, o ministro dos negócios estrangeiros francês, visita também a Arábia Saudita, o Koweit e os Emirados Árabes Unidos.ional.

O chefe da diplomacia do Qatar, Mohammed bin Abdulrahman, congratulou-se pelo apoio francês, e salientou que a solução para a crise entre o seu país e a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein e o Egipto, deve ser procurada no âmbito de um diálogo construtivo, bem como no respeito pela soberania do Qatar e do direito internacional. Abdulrahman referiu que o seu país espera da parte da França, um apoio à mediação do Koweit e às iniciativas dos Estados Unidos destinadas a pôr um termo a actual crise

Refira-se que, a França tem relações comerciais importantes com os dois principais actores da crise, o Qatar e a Arábia Saudita, sendo o último acordo realizado um exemplo disso: na terça-feira foi formalizada uma parceria a 25 anos entre a Petrolífera do Estado do Qatar (QP) e a gigante francesa Total para desenvolver o maior campo de petróleo 'offshore' de Al-Chahine.

Outro interesse diplomático da França é a organização do Campeonato Mundial, em 2022, por parte do Qatar.

Esta crise do Golfo eclodiu no início de Junho, depois de a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein e o Egito terem rompido as relações diplomáticas com o Qat

 

 
 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -17-08-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa410