O País Online - A verdade como notícia

Sábado
23 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Internacional Internacional Enfermeiro alemão terá matado pelo menos 84 pacientes

Enfermeiro alemão terá matado pelo menos 84 pacientes

Enfermeiro matou pacientes com recurso a overdoses medicamentosas

Um enfermeiro alemão condenado em 2015 por matar dois pacientes com overdoses de medicamentos para o coração é agora suspeito de ter matado pelo menos 84 pessoas entre 2000 e 2005, informaram hoje as autoridades alemãs, citadas pelo Notícias ao Minuto.

"A comissão de inquérito especial estabeleceu pelo menos 84 mortes, no estado atual do inquérito", indicou à imprensa o chefe da polícia de Oldenbourg, Johann Kühme.

Niels Hoegel foi condenado em 2015 a prisão perpétua por dois homicídios e duas tentativas de homicídio numa clínica em Delmenhorst, no noroeste da Alemanha, mas os procuradores disseram desde cedo que o enfermeiro teria matado mais pessoas.

Em Junho do ano passado, os inspectores tinham estabelecido a responsabilidade do suspeito em 33 mortes, pacientes em várias unidades de saúde onde Hoegel trabalhava.

"Este número é excepcional, único, na história da República Federal" da Alemanha, indicou o chefe da comissão de inquérito, Arne Schmidt.

O enfermeiro matava os pacientes com recurso a overdoses medicamentosas e segundo a investigação, a lista de vítimas poderá nunca ser conhecida com certeza. "Quem sabe quantos crimes podem ser ainda identificados?", questionou Thomas Sander, procurador em Oldenbourg.

"O suspeito não pode lembrar-se de todos os casos. Mas em mais de 30 casos, o suspeito lembrava-se concretamente dos pacientes e do seu comportamento", disse a chefe da procuradoria daquela cidade, Daniela Schiereck-Bohlemann.

Durante o seu julgamento, Hoegel, que confessou a um psiquiatra ter matado dezenas de pessoas, pediu desculpas aos familiares das suas vítimas.

As injecções que praticava serviam para levar os pacientes ao limiar da morte, a fim de demonstrar a sua capacidade de as trazer de volta à vida, explicou o enfermeiro, que apresentou o tédio como outro motivo para os crimes.

O caso surgiu em 2005, quando foi surpreendido por um colega quando se preparava para dar uma injecção não prescrita a um paciente numa clínica em Delmenhorst, o que o levou a uma primeira condenação por tentativa de homicídio em 2008.

 


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -22-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa414