O País Online - A verdade como notícia

Sábado
23 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Internacional Internacional PGR do Brasil pede prisão de ex-procurador

PGR do Brasil pede prisão de ex-procurador

Procurador-geral do Brasil pediu ao Supremo Tribunal prisão preventiva de Joesley Batista e do ex-procurador Marcelo Miller

O procurador-geral do Brasil, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal a prisão preventiva do empresário Joesley Batista, um dos donos da multinacional JBS, e do ex-procurador Marcelo Miller, entre outros, segundo a imprensa local, citada pelo Notícias ao Minuto.

O documento com o pedido de Janot está sob sigilo e a decisão depende do juiz Luiz Edson Fachin, responsável pelo caso no Supremo Tribunal, segundo os principais 'media' brasileiros, incluindo a Folha de São Paulo.

O pedido do procurador-geral abrange também Ricardo Saud, executivo da JBS, que, juntamente com outros dirigentes da empresa, acusou o Presidente Michel Temer de corrupção, no âmbito de um acordo de cooperação judicial.

O motivo é uma gravação áudio com quatro horas de duração em que Batista e Saud revelam ter "omitido" informação nos seus testemunhos à Justiça, o que obrigou Janot a abrir uma investigação que pode revogar a imunidade que os dois obtiveram quando confessaram atos ilícitos.

Nesse áudio são também feitas "referências indevidas" a juízes do Supremo e à Procuradoria.

Essas referências envolvem Marcelo Miller, antigo colaborador de Janot, que deixou a Procuradoria no final do ano passado para trabalhar num escritório de advocacia que acabou por ser contratado pela empresa JBS para negociar o acordo de colaboração da empresa com a Justiça. No áudio é sugerido que Miller foi "captado" pelos empresários para facilitar o acordo que os livrou da prisão.

Os executivos da JBS declararam às autoridades que subornaram o Presidente do Brasil, Michel Temer, desde 2010 e apresentaram uma gravação comprometedora em que o actual chefe de Estado ouve e parece consentir em silêncio os alegados crimes.

Com base nestes testemunhos, a Procuradoria-geral apresentou uma denúncia contra o Presidente a 26 de Junho por corrupção passiva, que foi arquivada em Agosto pela câmara baixa, o que impediu a abertura de um processo penal contra o governante.

 

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -22-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa414