O País Online - A verdade como notícia

Quinta-feira
19 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Internacional Internacional Exército ruandês acusado de torturas para obter confissões

Exército ruandês acusado de torturas para obter confissões

Human Rights Watch acusa exército do Ruanda de recorrer à tortura para conseguir confissões de suspeitos detidos

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) acusou o exército do Ruanda de recorrer à tortura para conseguir confissões de suspeitos detidos. A acusação foi feita num relatório divulgado hoje, de acordo com o Notícias ao Minuto.

No relatório "Obrigar-te-emos a confessar: tortura e detenção militar ilegal no Ruanda", a HRW afirma ter documentado 104 casos de pessoas detidas ilegalmente e, na maioria, vítimas de actos de tortura -- bastonadas, choques eléctricos, simulações de execução -- em centros de detenção do exército ruandês entre 2010 e 2016.

"Investigações realizadas durante um certo número de anos demonstram que os responsáveis militares no Ruanda podem recorrer à tortura a seu critério", declarou Ida Sawyer, directora para a África Central da Human Rights Watch.

"A impunidade pela detenção ilegal e a utilização sistemática da tortura leva numerosas vítimas a abandonarem qualquer esperança de justiça", referiu.

Segundo a HRW, a maioria das vítimas foram detidas por alegadamente pertencerem às Forças Democráticas para a Libertação do Ruanda, rebeldes hutus ruandeses que se instalaram no leste da República Democrática do Congo. Alguns dos seus membros fundadores são acusados de terem participado no genocídio de 1994.

Outras vítimas são suspeitas pelas autoridades de terem ligações com o Congresso Nacional Ruandês, um grupo da oposição no exílio, composto sobretudo por antigos membros do partido no poder, ou de apoiarem Victoire Ingabire, presidente detido do partido -- não reconhecido pelas autoridades -- das Forças Democráticas Unificadas.

A HRW exige às autoridades do Ruanda e às Nações Unidas que investiguem os casos.

O Governo do Ruanda, dirigido desde 2000 pelo antigo líder guerrilheiro Paul Kagame, negou a existência de campos militares de detenção ilegal.

O Governo devia falar em Kigali sobre as conclusões de um anterior relatório da HRW, mas a conferência de imprensa foi anulada à última hora.

Nesse relatório, divulgado a 29 de Setembro, a HRW acusava as forças de segurança de detenções, desaparecimentos forçados e ameaças a políticos da oposição, após a reeleição a 4 de Agosto para um terceiro mandato do Presidente Kagame, com mais de 99% dos votos.

Elogiado pela transformação económica do país, Kagame é regularmente criticado por organizações de direitos humanos por limitar as liberdades civis e silenciar a oposição.

 


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -18-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa419