O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
21 de Julho
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Política Política Governo dá luz verde para financiamento do projecto de gás

Governo dá luz verde para financiamento do projecto de gás

Conselho de Ministros deu luz verde à estrutura e ao acordo de financiamento directo do projecto de gás natural da ENI na bacia do Rovuma

O Conselho de Ministros aprovou, ontem, a estrutura e o acordo de financiamento directo do projecto de gás natural da multinacional italiana ENI, na bacia do Rovuma. Trata-se de um passo importante para um dos maiores investimentos na história de Moçambique.

Através de um decreto, o Conselho de Ministros aprovou, ontem, uma das etapas consideradas cruciais para o arranque das actividades de exploração de hidrocarbonetos, na bacia do Rovuma, Cabo Delgado.

“O Conselho de Ministros aprovou, nesta sessão, o decreto sobre a estrutura do financiamento e do acordo directo de financiamento do projecto flutuante de gás natural liquefeito Coral Sul, na área 4 do bloco do Rovuma”, disse o porta-voz do Conselho de Ministros, Mouzinho Saíde.

O projecto Coral Sul tem como operador a multinacional ENI, que lidera uma estrutura accionista que conta com as empresas Galp Energia de Portugal, a KOGAS da Coreia do Sul e a Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH).

Dados oficiais indicam que a implementação deste projecto vai empregar cerca de 820 trabalhadores, 90 por cento dos quais nacionais.

Está avaliado em quatro mil e seiscentos mil milhões de dólares e o processo de financiamento estava, em parte, dependente da decisão tomada esta terça-feira pelo governo. “É este acordo que vai permitir o início das operações para o financiamento do projecto”, disse Saíde.

Dados da ENH, representante do Estado moçambicano na bacia do Rovuma, indicam que o Coral Sul abrange a construção de seis poços conectados ao sistema de produção submarino e a plataforma flutuante de GNL, que terá uma capacidade de liquefacção de mais de 3,3 milhões de toneladas de GNL por ano.

Outras matérias

Ainda na sessão desta terça-feira, foram aprovadas as resoluções que reconhecem as fundações Soico, Sérgio Gago, Banco Alimentar contra a Fome e Rizuan Adakiar.

Outra nota de destaque analisada no Conselho de Ministros foi a informação sobre o balanço preliminar da campanha de comercialização da castanha de caju, que, segundo as informações, já superou as metas projectadas em 15 por cento. “A campanha de comercialização e exportação da castanha de caju está a decorrer a um bom ritmo”, disse Mouzinho Saíde.

Dados do executivo indicam que o subsector do caju garante emprego e renda a mais de 1.4 milhões de famílias, em todo o país.

A castanha bruta moçambicana é exportada para Índia e Vietname e a amêndoa é comercializada nos Estados Unidos da América.


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -20-07-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa401