O País Online - A verdade como notícia

Domingo
24 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Política Política Diálogo político entra na fase decisiva

Diálogo político entra na fase decisiva

Esta semana, diálogo político entra na fase decisiva

 

No último dia da visita de trabalho a Inhambane, o Presidente da República reuniu com centenas de mulheres, em representação de todos os distritos da província, e voltou a apelar à paciência, patriotismo e moçambicanidade na busca da paz efectiva para o país.

Na ocasião, Filipe Nyusi  assegurou que o processo está a decorrer e que, nas próximas semanas, vai ganhar mais ímpeto. “Nas semanas que se seguem, teremos que acelerar o processo, para darmos os passos seguintes”, mas é preciso salientar que “algo está a acontecer e não precisamos de fazer corta-matos, porque isso pode comprometer o processo”, explicou.

Segundo Nyusi, os grupos de trabalho estão a funcionar dentro do cronograma traçado, mas há necessidade de haver outra dinâmica. “O diálogo está em curso, estamos a fazer contactos, como vocês sabem, mas também as duas comissões estão a trabalhar. Elas têm prazo, trabalham na base de termos de referência. Tentamos entregar prazos, para que aquilo que discutem encontre desfecho. É verdade, não estão fora do tempo, mas pensamos que, nas semanas que se seguem, teremos que acelerar mais este processo, para podermos encontrar um consenso, posições comuns, para dar passos seguintes neste processo”, disse.

Filipe Nyusi disse estar a par da sensação que a sociedade tem sobre a paz, mas deixou palavras de sossego e pediu paciência a todos, especialmente as mulheres. “Gostaria que as mulheres, como transmissoras de calor de mãe, encorajassem todos para que, juntos, com patriotismo e moçambicanidade, contribuamos positivamente para a paz, pois a insegurança é repulsiva ao desenvolvimento”, disse.

Recorde-se que duas comissões de especialidade, que integram elementos indicados pelo Governo e Renamo, e um grupo de contacto, constituído pelo corpo diplomático acreditado em Maputo, trabalham em assuntos sobre descentralização e assuntos militares, no âmbito da busca da paz efectiva.

A comissão de descentralização tem mandato para propor projectos de legislação e, até, emendas constitucionais que se mostrem necessárias para viabilizar os entendimentos sobre a matéria. Por seu turno, a comissão para os assuntos militares trabalha nos mecanismos de monitoria da cessação de hostilidades, desmobilização, desarmamento total, reintegração e verificação do processo no terreno.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -22-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa414