O País Online - A verdade como notícia

Terça-feira
24 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Política Política Chissano encoraja a todos a se envolverem no Censo

Chissano encoraja a todos a se envolverem no Censo

Joaquim Chissano considera que dados do censo vão ajudar a perceber o nível de pobreza e o esforço necessário para reduzi-la

Dois dias depois do arranque do processo de Recenseamento da População e Habitação, hoje, foi a vez da equipa do Instituto Nacional de Estatística (INE) – chefiada por Rosário Fernandes, presidente da instituição – escalar a casa de Joaquim Chissano, antigo presidente da República. A equipa foi recebida pelo chefe da família, Joaquim Chissano e sua esposa Marcelina Chissano.

O casal foi explicado sobre os procedimentos e em seguida inquirido. Após cerca de 30 minutos a responder o questionário, a família Chissano recebeu o cartão de recenseado e entrou nas estatísticas do censo. Depois de se envolver no processo, Chissano recordou que durante a sua governação, houve alguns constrangimentos porque segundo ele, as estatísticas eram fracas. “E porque era assim, tínhamos dificuldade de fazer eficazmente o nosso planeamento, mas com esse recenseamento vamos poder ter uma situação mais próxima da realidade.

Com esses dados poderemos perceber o nível de pobreza existente, que esforço é necessário empreender para reduzi-la”, disse o antigo estadista que não deixou de aconselhar a população em geral para que facilite o processo. “Ao facilitarem esse trabalho estarão a contribuir para que se chegue a uma realidade mais próxima do que quanto somos, como somos, como estamos e quais as nossas reais necessidades”, encorajou Chissano.

Família de Lutero Simango já faz parte das estáticas do censo

Depois de sair da casa de Chissano, a equipa dirigiu-se à casa do chefe da bancada do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Lutero Simango. Lá, o deputado fez se acompanhar da sua esposa que esteve ao seu lado durante todo o inquérito. No final, Simango reiterou a importância do processo para o desenho de políticas públicas mais próximas a realidade. “Se quisermos projectar o futuro de Moçambique, isso passa necessariamente em conhecer os dados reais da nossa população. É a partir desses dados que é possível planificar e desenhar uma estratégia de desenvolvimento e é por isso encorajo a população a se envolver nesse processo”, terminou.

Recorde-se que este é quarto recenseamento da população e habitação realizado no país. O processo, que iniciou no passado dia 1, terá o seu término no próximo dia 15. 

 


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -24-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa420