O País Online - A verdade como notícia

Quinta-feira
21 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Política Política CNE apela ao esquecimento de erros do passado

CNE apela ao esquecimento de erros do passado

Comissão Nacional de Eleições quer boa organização nas eleições autárquicas de 2018

 

O segundo vice-presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), Meque Braz, apela a melhor organização nas eleições autárquicas de 2018 e gerais de 2019, de modo que se evite situações de injustiça ou contestação. “Já não podemos errar. Erros do passado devem ser esquecidos. Para já temos que começar a trilhar no sentido de encontrar tudo o que foi erro e melhorarmos para que tenhamos eleições sem muitas dificuldades. No passado tivemos problema no sistema, nas baterias de alguns aparelhos e erros humanos. Nos próximos processos essas dificuldades não podem existir”, afirmou Meque Braz, que falava em Manica, ontem, no âmbito da formação de quadros da CNE e do STAE em matérias de Lei Eleitoral, que arrancou no distrito de Gondola.

Falando a jornalistas, momentos depois de proceder à abertura do seminário, o segundo vice-presidente da CNE explicou que a formação visa enquadrar todos os membros dos órgãos de apoio á Comissão de Eleições de conhecimentos sobre a Lei Eleitoral, para que os próximos sufrágios decorram sem sobressaltos. “Sabem que entramos há pouco tempo em funcionamento e temos membros que vem do partido Frelimo (no poder) e outros da Renamo, do MDM e da sociedade civil. Precisamos de fazer um enquadramento legal para que todos comunguemos ideias e tenhamos a mesma percepção em relação a legislação eleitoral”, disse Braz.

De acordo com a fonte, pretende-se com a capacitação munir os membros de conhecimentos sobre os procedimentos e funcionamento dos órgãos de apoio à Comissão Nacional de Eleições.

A província de Manica, com mais de dois milhões de habitantes e 12 distritos, tem cinco autarquias, nomeadamente Gondola, Sussundenga, Manica, Catandica e cidade de Chimoio.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -20-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa414