O País Online - A verdade como notícia

Sexta-feira
21 de Julho
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Sociedade Sociedade Roubo de alumínio leva à detenção de três pessoas na província de Maputo

Roubo de alumínio leva à detenção de três pessoas na província de Maputo

Criminalidade

A detenção das três pessoas pode ajudar a esclarecer o roubo de toneladas de alumínio que a empresa Midal Cable International vinha sofrendo e que, inclusivamente, tinha apresentado queixa à Polícia da República de Moçambique (PRM). O grupo foi neutralizado em flagrante delito, na última terça-feira, quando alegadamente acabava de deixar a empresa em referência com uma camioneta completamente carregada de lingotes de alumínio “bruto”, sendo que outro estava a ser transportado numa mini-bus.

A Midal está localizada no Parque Industrial de Beleluane, a escassos metros da fábrica de fundição de alumínio Mozal. Para melhor entendimento, é importante clarificar que a Midal compra alumínio bruto da Mozal, processa e produz cabos eléctricos.

Apesar do apertado circuito de segurança, que inclui o sistema de monitoramento por câmaras de filmar, os criminosos conseguiam meter viaturas no recinto da empresa e carregar toneladas de barras de alumínio. Entretanto, os três jovens, ora detidos, refutam as acusações e dizem que encontraram a mercadoria no aterro industrial de Mavoco, localizado a poucos quilómetros do Parque Industrial de Beleluane.

“Não sabemos quem foi deixar, apenas encontramos ali na lixeira”, afirmou categoricamente um dos indiciados. Questionados sobre a intenção ao tapar a mercadoria que estava na camioneta com uma lona, o outro integrante da equipa justificou-se com o argumento de que “toda a mercadoria que transportamos, seja areia, pedra ou outro produto, deve estar tapado, como se exige”.

Argumentos, no entanto, que não encontram lógica na análise da polícia. “Quando eles (os gestores da empresa) denunciam a existência de um esquema de roubo de lingotes de alumínio, iniciamos as deligências para perceber o que estava a acontecer e interceptamos duas viaturas que estavam carregadas da mercadoria, disfarçada em lonas, e saía da mesma empresa na calada da noite”, explicou o porta-voz da PRM na província de Maputo, Emídio Mabunda.

O mais interessante é que cada barra de alumínio leva um timbre da Mozal e por se tratar de uma qualidade “bruta” a sua fundição não é fácil, o que dá a entender que havia um comprador para aquela mercadoria, uma vez que com as características que apresenta, não é de fácil venda nas sucatarias em mini-empresas de produção de panelas e potes de alumínio.

 


 

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -20-07-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa401