O País Online - A verdade como notícia

Terça-feira
24 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Sociedade Sociedade Mais de 800 mil carteiras serão disponibilizadas até 2018

Mais de 800 mil carteiras serão disponibilizadas até 2018

MINEDH vai contar com 800 mil carteiras produzidas com madeira apreendida no âmbito da “Operação Tronco”

O Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano vai contar com mais de 800 mil carteiras, que serão produzidas a partir da madeira apreendida no âmbito da “Operação Tronco”, e serão disponibilizadas em várias instituições de ensino no país entre 2017 e 2018, escreve a AIM.

A “Operação Tronco” foi desencadeada pelo Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural e consistiu na apreensão de madeira contrabandeada, sobretudo nas regiões centro e norte do país.

A informação foi avançada, ontem, em Maputo, pela ministra Conceita Sortane, na sessão da abertura do III Conselho Coordenador do Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano.

“No âmbito do programa de produção e distribuição de carteiras escolares, a ser lançado no presente ano, resultantes da ‘operação tronco’, serão produzidas 824.361 carteiras no período de 2017 e 2018”, disse a ministra.

Na ocasião, Sortane revelou que, em 2015, foram fabricadas 150 mil carteiras duplas que tiraram do chão um total de 905 mil crianças em todo o país. Por outro lado, a ministra explicou que, no mesmo ano, foram construídas 922 salas de aula.

Estas actividades são realizadas no âmbito do programa de produção e distribuição de carteiras escolares em todo o território nacional.

“No contexto da inclusão, mais de 87 mil crianças e jovens com necessidades educativas especiais estão a beneficiar-se da educação, com direito a atendimento em escolas especiais ou inclusivas”, revelou Sortane.

Este programa, de acordo com a governante, beneficia mais de nove mil crianças distribuídas por 139 escolinhas comunitárias, em dez distritos das províncias de Cabo-Delgado e Nampula (no norte de Moçambique), Maputo e Gaza (no sul) e Tete, no centro do país. “No âmbito do combate ao analfabetismo em jovens e adultos, temos vindo a assegurar a contratação anual em média de 19 mil alfabetizadores voluntários, um facto que tem proporcionado a alfabetização e educação para mais de meio milhão anualmente”, fez saber a ministra.

Sortane revelou ainda que foram capacitados cerca de quarto mil gestores de escolas e cerca de 24 mil professores em matérias de leitura e escrita iniciais e cálculo, no quadro da revisão pontual do currículo do primeiro ciclo do ensino primário.

“Frequentam cursos de formação de professores na modalidade um total de 8.931 formandos, dos quais 50 por cento são mulheres”, explicou. “A nossa prioridade é a provisão de uma educação que se traduza na aprendizagem dos alunos, num contexto de equidade e inclusão, com vista ao combate a pobreza, promoção de vida saudável, da cidadania, paz e unidade nacional”, concluiu.

 


 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -24-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa420