O País Online - A verdade como notícia

Sábado
23 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Sociedade Sociedade Gorongosa registou mais de dois mil casos de malária nos últimos dois anos

Gorongosa registou mais de dois mil casos de malária nos últimos dois anos

Malária faz cinco óbitos em Gorongosa

Dados oficiais apontam que, nos últimos dois anos, casos de malária, em Gorongosa, província de Sofala, fizeram cinco óbitos.

Refira-se que parte da população do distrito de Gorongosa, epicentro do conflito armado, ora em trégua, desde Dezembro do ano passado, recorreu a curandeiros e igrejas para se curar de diversas enfermidades, com destaque a malária. Esta informação foi fornecida pelas próprias vítimas do conflito, ontem, em Satungira, a este jornal, durante a campanha de distribuição de redes mosquiteiras, ora em curso no país. Frederico Volante, um dos líderes comunitários do posto administrativo de Vunduzi, em Gorongosa, referiu que, dado o conflito, “pernoitámos nas matas e ao relento durante meses, expostos a vários tipos de insectos, com destaque para os mosquitos. Contraímos várias doenças, incluindo malária, e como não podíamos sair para os centros de saúde, que aliás nem estavam operacionais, dada a tensão militar, a solução era ir aos curandeiros à busca da cura ou às igrejas improvisadas nas matas. Perdemos muitos parentes, porque, no lugar de melhorarem, alguns morriam. Felizmente, tudo está terminado e esperamos que esta trégua traga uma paz efectiva”.  

Jerónimo Langa, director dos serviços distritais de Saúde, Mulher e Acção Social, reconheceu que em algum momento o seu sector perdeu o controlo da  situação. é neste sentido que o posto administrativo de Vunduzi, em Gorongosa, foi a região escolhida pelo sector de saúde para acolher a campanha de distribuição de redes mosquiteiras.

Chico Farnela, director provincial de saúde em Sofala, falando em representação da governadora, exortou a população a procurar sempre a medicina convencional para o tratamento da malária e apostar nas medidas de prevenção.

Farnela garantiu que há redes suficientes para todos, incluindo os guerrilheiros da Renamo. Em Sofala, serão distribuídas mais de um milhão e meio de redes mosquiteiras, que irão beneficiar cerca de 550 mil agregados familiares.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -22-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa414