O País Online - A verdade como notícia

Quinta-feira
21 de Setembro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Sociedade Sociedade INAM prevê próxima época sem ocorrência de desastres naturais

INAM prevê próxima época sem ocorrência de desastres naturais

Isaías Raiva diz que não há previsão de cheias nem seca no país abrindo espaço para uma boa produtividade agrícola

O Instituto Nacional de meteorologia prevê chuvas normais e acima do normal, nos próximos três meses de 2017, sendo que grande parte das zonas sul e centro do país será bastante afectada.

Durante a abertura do Fórum Nacional de Antevisão do Clima, realizado esta segunda-feira, que tem como objectivo fazer o balanço da última época chuvosa e antevisão da época 2017-2018, o Instituto Nacional de Meteorologia fez saber que, nos próximos três meses deste ano, as zonas sul e centro poderão registar chuvas normais e acima do normal. Para a zona norte, a previsão é de chuvas relativamente fracas.

Já para os primeiros três meses do ano 2018, nomeadamente, Janeiro, Fevereiro e Março, a previsão aponta para chuvas normais, com tendência para fortes, em grande parte da zona centro e parte da zona sul. Para a zona norte, esperam-se chuvas normais.

Ainda segundo o INAM, não há previsão de cheias nem de seca, o que abre espaço para uma boa produtividade agrícola. “Para a agricultura, essas chuvas podem significar boa colheita, pois não se esperam secas nem cheias. É uma chuva que pode satisfazer as necessidades hídricas e agrícolas do país”, sublinhou Isaías Raiva, técnico do INAM.

Refira-se que, na passada época chuvosa, devido à ocorrência do “El niño”, registou-se escassez de chuva no país e consequente redução de escoamento em todas as bacias.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -20-09-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa414