O País Online - A verdade como notícia

Terça-feira
17 de Outubro
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Sociedade Sociedade Sociedade civil avança com propostas para desenvolvimento da agricultura no país

Sociedade civil avança com propostas para desenvolvimento da agricultura no país

João Mosca diz que ideia da proposta é colaborar em aspectos fundamentais para acelerar produção agrícola

Organizações nacionais da sociedade civil entregaram, ontem, ao Presidente da República, Filipe Nyusi, um dossier contendo propostas para ajudar a definir melhores estratégias para o desenvolvimento do sector agrário no país.

Preocupados com o estágio desta que é, constitucionalmente, a base para o desenvolvimento nacional, mas que nas últimas três décadas está com desempenhos aquém das potencialidades existentes, e perante o cenário em que o país importa quase tudo, a sociedade civil decidiu ir ao gabinete do Chefe de Estado mostrar os caminhos pelos quais pretende contribuir para fazer da agricultura nacional a maior fonte da alimentação do país.

O director executivo do Observatório do Meio Rural, João Mosca, integrante da rede das organizações por detrás da proposta, disse à imprensa que a ideia é colaborar em aspectos fundamentais com medidas concretas, para se encontrar caminhos visando acelerar a produção agrícola.

 Após o encontro com Filipe Nyusi, Mosca mostrou-se esperançoso em ver as propostas bem encaminhadas, com vista à execução dos propósitos plasmados no documento, dado que o Presidente se mostrou entusiasmado com a presença daquele grupo, que tenciona dar o seu contributo para o desenvolvimento do país.

Por outro lado, Mosca salientou que a organização estará sempre aberta a contribuir no que for necessário, para que haja, na agricultura e no meio rural, maior participação e que se possa catapultar o desenvolvimento do sector agrícola e do país em geral.

O documento apresenta várias hipóteses para a sua implementação, desde a organização e funcionamento do aparelho do Estado em matérias agrárias até à exploração de recursos minerais. “Apresenta assuntos relacionados com a terra, política económica relacionada com a agricultura, políticas públicas, questões de incentivos ao sector empresarial, reassentamento e outros aspectos”, disse Mosca, acrescentando que se trata de um documento aberto a discussão, mesmo tendo já sido apresentado ao Chefe de Estado.

O grupo compromete-se a continuar o seu debate na busca de novas ideias para o enriquecimento das propostas. “Queremos desde já envolver os centros de decisão, para acelerar esta plataforma”, disse.

Para a elaboração do documento apresentado, joão Mosca diz que foi necessária a participação de muitos grupos, movimentos e associações que actuam no ramo agrário, bem como outras organizações.

Orçamentação

Sobre questões do orçamento para uma possível implementação das propostas avançadas, Mosca disse tratar-se de um assunto que poderá ser discutido a posterior, uma vez que, para o sector da agricultura, em particular, o Governo já tem orçamento próprio. “Esperamos que, para o ano, possa haver um reajuste no orçamento, com base na proposta que apresentámos”, disse.

A agricultura é uma actividade económica importante em Moçambique. emprega mais de 80% da população rural e contribui com 25% do PIB. O país tem quase 36 milhões de hectares de terra arável, dos quais apenas 5,7 milhões são ocupados por mais de 3,7 milhões de pequenas e médias propriedades. Cerca de 70% de toda a terra cultivada é ocupada por pequenas propriedades, com tamanho médio de dois hectares, as “machambas”. Os principais produtos agrícolas de Moçambique são a mandioca e o milho.

Apesar dos progressos ao longo das duas últimas décadas, a FAO considera que Moçambique continua a ser um país que sofre com a insegurança alimentar, daí que consideráveis ​​melhorias ainda são necessárias para aumentar a disponibilidade de alimentos, bem como melhorar o seu acesso e utilização.

 

"Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo.

Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências."

 

Adelino Timóteo


publicidade

Edição Impressa e O Tempo

 Edição  O Tempo

 Edição Impressa -17-10-2017

Impressa

 

Maputo

 

Inhambane

 Beira
 

Nampula

 
 

Edição Impressa419