Moçambique vai exportar peixe para China a partir de 2019   

Moçambique vai exportar peixe para China a partir de 2019   

Moçambique vai exportar Tilápia e o Kapenta para China, a partir de 2019, de acordo com a directora provincial de pesca, Fátima Cinco-reis.
Na ocasião, Fátima não revelou as quantidades, mas diz que as capturas são satisfatórias para fornecer aquele país asiático.  
China é o destino escolhido para a venda desta sardinha, produzida nas águas territoriais de Tete, Centro de Moçambique.
Este facto surge depois de a China ter confirmado o desembolso de pouco mais de 100 milhões de dólares norte americanos em quatro projectos no país, onde um deles está ligado a agricultura.
Pronunciando-se sobre a efectivação deste negócio, a directora provincial de pesca, disse que os contactos estão em andamento, e revelou que as empresas chinesas manifestaram interesse no Kapenta e outras variedades, como por exemplo a Tilápia. 
Os contatos iniciais com vista a materialização destas pretensões, segundo Fátima Cinco-reis, foram feitos com empresários chineses que participaram da Feira Internacional de Maputo (FACIM), em Agosto passado.
“Estamos satisfeitos com essa intenção demonstrada pelos empresários chineses”, afirmou Cinco-reis, acrescentando que “Kapenta é uma espécie de peixe com alto valor comercial, que actualmente é exportado para a Zâmbia, Zimbabwe e República Democrática Congo”.
Caso o acordo materialize-se, será a primeira vez que a produção pesqueira de Tete é exportada para a China. Ademais, a directora acredita que as exportações de kapenta para a China poderão gerar mais renda para os pescadores e mais receita fiscal para o Governo.
"Estamos satisfeitos porque com este tipo de acordo, nossos pescadores vão melhorar suas condições de vida", disse acrescentando que “dessa forma, o país estará a lutar contra a pobreza, que é uma das principais prioridades do governo”.
Quanto as quantidades de peixe a serem exportadas para aquele país, Cinco-reis considera que é cedo para dizer, porque “ainda estão fazer os contatos”, e depois desta fase é que saberão “como as exportações serão feitas”, pois estes “são detalhes que precisam amadurecer”.
Mesmo sem findar as negociações, a directora entende que “não teremos nenhum problema em fornecer o produto para o mercado chinês, porque as capturas são satisfatórias".
Os peixes que serão vendidos, são capturados no enorme lago artificial atrás da barragem de Cahora Bassa no rio Zambeze, onde, recorde-se, a pressão exercida por pescadores ilegais, está a concorrer para a extinção do peixe “kapenta”.
 


Contactos

Tef: +258 21 313517/8

Email: opais@soico.co.mz
Local: Rua Timor Leste, 108 Baixa
Maputo- Moçambique