“Não venham procurar sorte no MDM”

“Não venham procurar sorte no MDM”

O presidente do Movimento Democrático de Moçambique, Daviz Simango, exortou,  ontem, a todos os moçambicanos e de forma particular aos membros do seu partido a serem cidadãos exemplares na gestão  da coisa pública e a envolverem-se directamente no combate à corrupção. Simango, que falava na abertura da III sessão ordinária do conselho nacional do seu partido, que decorreu na cidade da Beira, pediu igualmente aos membros do MDM a não se servirem das suas funções para atingirem fins pessoais, por forma a conquistarem riquezas.  
"O MDM deve ser diferente e não se pode vir ao MDM à procura da sorte na vida, mas sim para ser instrumento e garantir o bem-estar do povo".  

Daviz Simango pediu depois aos seus membros para se distanciarem da corrupção, que considerou um crime associado à incorrecta gestão de Estado.

"Por isso devem ser produzidos instrumentos internos em consonância com a legislação moçambicana, de modo a acautelar os princípios da necessidade, gestão de riscos, imparcialidade e transparência e simplicidade de modo a prevenir fraude e a corrupção". Dirigindo-se ao braço feminino do seu partido, Daviz Simango pediu a mesma para não deve vergar na luta pela autonomia das mulheres no poder de decisão.   

"Por isso quando aparecem vozes femininas a violentarem outras vozes femininas, agravado pelo facto de serem dos órgãos de soberania no mínimo devem se demitir das funções por serem nocivas e perigosas a sociedade, e de estarem a confundir como forma de ser das outras representações femininas na Assembleia da República. A permanência de vozes femininas nocivas a sociedade na Assembleia da República, põe em causa a idoneidade das políticas públicas que devem ser garantidos pelo Estado Moçambicano, como medida de protecção aos direitos humanos das mulheres".   

Na ocasião, o presidente do MDM voltou a criticar o actual processo eleitoral.

"Estamos em pleno processo de recenseamento eleitoral, o protagonista da comédia é o STAE, que tudo faz para excluir os eleitores das zonas propensas a oposição. Esta atitude representa promoção de conflitos numa altura que se diz haver esforços para Paz definitiva. Até agora os dados apurados indica que a província de Gaza vai afrente das restantes o que não é compreensível. A única explicação deste fenómeno pode ser dada pelo STAE. Com a consequente redução de eleitores das restantes províncias para proporcionar as famosas vitórias retumbantes e asfixiantes, de acordo com declamações dos poetas do dia. Por isso o MDM tem missão espinhosa de inverter a situação sem precisar de chorar".

Simango lembrou que faltam poucos meses para iniciar a campanha eleitoral no país e voltou a mostrar-se preocupado com o estagio do processo de paz.  

"Os acordos demoram a chegar e criam suspensão sobre que eleições teremos, e não acreditamos que em quatro meses estará tudo bem resolvido pois o processo de Desmilitarização, Desmobilização e Reintegração (DDR) pela sua natureza é complexo e conflituoso. Nem que se cumpra o DDR a paz não estará assegurada se a exclusão de acesso aos recursos, a cumplicidade dos órgão eleitorais na negação de eleições transparentes, livres e justas ignorando o voto popular, prevalecerem".

 O presidente do MDM espera que neste encontro sejam debatidas questões que ajudem a edificar um Moçambique mais robusto em todas esferas.

"Muitas são as questões a debater em torno do porquê, para quê e como edificar um Moçambique para Todos. Estamos confiantes que sairemos daqui unidos e prontos para o combate com um contributo sério e frutuoso, para a consolidação da nossa jovem democracia moçambicana".

 

 


Contactos

Tef: +258 21 313517/8

Email: opais@soico.co.mz
Local: Rua Timor Leste, 108 Baixa
Maputo- Moçambique