Parcerias tecnológicas oferecem melhores opções para o desenvolvimento africano

Parcerias tecnológicas oferecem melhores opções para o desenvolvimento africano

JOANESBURGO, 22 de julho de 2020 – A tecnologia oferece a melhor oportunidade para o avanço de África, e os países africanos têm o direito de escolher com quais países e empresas são parceiros no mapeamento do desenvolvimento tecnológico de seu povo.

Esta foi uma das mensagens que emergiram de um seminário on-line organizado pela Universidade de Joanesburgo ontem. Intitulado "Preparar a África para a 4ª Revolução Industrial: padrões, perspetivas e lições", o evento viu partes interessadas do sector de negócios, academia, sociedade civil e mídia compartilharem ideias sobre o futuro do continente e o papel da tecnologia na consecução de seus objetivos de desenvolvimento.

O início da Quarta Revolução Industrial (4RI) apresenta enormes oportunidades para o desenvolvimento africano. No entanto, isso acontece por de trás do pano de uma guerra comercial entre a China e os Estados Unidos, especialmente com o último buscando influenciar as opções tecnológicas de seus parceiros comerciais.

Observando as vantagens que a 4RI oferece para o desenvolvimento da África – como agricultura de precisão e colmatar o fosso digital -, o presidente e palestrante do evento, David Monyae, diretor executivo do Centro de Estudos África-China, observou que a infraestrutura do continente limitava sua capacidade de adotar a 4RI.

“Para superar essa escassez,” ele disse: “o continente precisa aprender com as lições dos países mais avançados e identificar parcerias que possam ser vantajosas.”

Dr Monyae disse que isso seria uma tarefa difícil. “O atual sistema internacional está repleto de discordâncias sobre tecnologias, com países como os Estados Unidos se confrontando com países mais ambiciosos no campo da tecnologia, como a China.”

Em seu discurso, o vice-chanceler da UJ, Prof. Tshilidzi Marwala, e vice-presidente da Comissão Presidencial da África do Sul na Quarta Revolução Industrial, observaram o potencial da tecnologia para turbinar o desenvolvimento. Ele listou oito áreas em que a Comissão estava focada, onde a 4RI poderia reduzir a desigualdade na África do Sul, mas enfatizou a urgência de agir.

“Covid-19 nos mostrou o quanto vital é a tecnologia para o futuro,” ele disse. “Mas ainda existem lacunas na infraestrutura – como ocorreram nas três primeiras revoluções industriais. A hora de investir em tecnologia é agora, mal podemos esperar para se adaptar.”

Edward Zhou, O vice-presidente de Assuntos Públicos Globais da Huawei, observou que, apesar de alguns progressos, ainda havia uma divisão digital significativa impedindo o povo da África de aproveitar as vantagens da 4RI. Ele disse que 28 milhões de estudantes da África Subsaariana estavam sem conexão à Internet e mais de 110 milhões de pessoas não tinham acesso a serviços financeiros.

“Trazer essas pessoas para a economia digital depende da conectividade e, aqui, a arquitetura baseada em nuvem é importante, assim como mais conectividade de fibra a vilas e outros sites,” disse Zhou.

Ele disse que a Huawei é parceira tecnológica estabelecida em toda a África desde 1997 e espera continuar com essas relações na busca pela 4RI na África..

“Também formamos parcerias com mais de 400 universidades em toda a África para dar treinamento a mais de 15.000 estudantes,” disse ele.

Em seu discurso, Thang Nguyen-Quoc, economista do Centro de Desenvolvimento da OCDE, apontou que os recursos disponíveis para o desenvolvimento na África não acompanharam o crescimento da população e que, devido à pandemia de Covid-19, oito países africanos já estavam em aflição da dívida.

Ele disse que o investimento estrangeiro direto na África deve cair de 25 a 40% devido à pandemia. No entanto, afirmou que o investimento digital oferece retornos muito mais efetivos do que outros setores.

“A transformação digital é crítica ”, disse ele. “Comparado à energia, as TIC são baratas e os benefícios são reais e imediatos. É fundamental que os governos sigam as políticas corretas, aquelas que atrairão tipos mais eficazes de investimentos”

O Dr. Monyae concluiu que, para que o avanço digital da África fosse concretizado, era necessário um ambiente global propício ao desenvolvimento do continente.

“Para a África se desenvolver, ela deve ter soberania ”, afirmou. “No entanto, não há necessidade de se retirar da globalização. O protecionismo em nível global não terá sucesso e não será bom para o continente.”

“A África não precisa ser pró- Beijing ou pró-Washington, mas pró-desenvolvimento a todo custo.”

 

Tech partnerships offer best options for African development

JOHANNESBURG, July 22, 2020 – Technology offers the best opportunity for Africa’s advancement, and African countries have the right to choose which countries and companies they partner with in charting the technological development of their people.

This was one of the messages emerging from a webinar hosted by the University of Johannesburg yesterday. Titled, “Gearing Africa for the 4th Industrial Revolution: Patterns, Prospects and Lessons,” the event saw stakeholders from business, academia, civil society and the media share insights on the continent’s future, and the role of technology in achieving its developmental aims.

The onset of the Fourth Industrial Revolution (4IR) presents enormous opportunities for African development. However, it comes against the backdrop of a trade war between China and the United States, with especially the latter seeking to influence the tech choices of its trading partners.

Noting the advantages that the 4IR offers for Africa’s development – such as precision agriculture and bridging the digital divide – speaker and event chair Dr David Monyae, Executive Director of the Centre for Africa-China Studies, noted that the continent’s infrastructure limited its ability to embrace 4IR.

“To surmount this dearth,” he said, “the continent needs to learn from the lessons of more advanced countries, and identify partnerships that might be to its advantage.”

Dr Monyae said this would be a trying task. “The current international system is fraught with disagreement on technologies, with countries such as the United States ranged against more ambitious countries in the field of technology, such as China.”

In his address, UJ Vice Chancellor Prof Tshilidzi Marwala and deputy chairperson of South Africa’s Presidential Commission on the Fourth Industrial Revolution, noted the potential of technology to turbocharge development. He listed eight areas the Commission was focused on, where 4IR could reduce inequality in South Africa, but he emphasised the urgency of taking action.

“Covid-19 has shown us how vital technology is for the future,” he said. “But gaps still exist in infrastructure – as they did during the first three industrial revolutions. The time to invest in technology is now, we cannot wait to adapt.”

Edward Zhou, Huawei’s Vice President of Global Public Affairs, noted that despite some progress, there remained a significant digital divide preventing Africa’s people from seizing the advantages of the 4IR. He said 28 million students in Sub-Saharan African were without internet connectivity, and more than 110 million people had no access to financial services.

“Bringing these people into the digital economy is dependent on connectivity and here, cloud-based architecture is important, as well as more fibre connectivity to villages and other sites,” said Zhou.

He said Huawei had been an established technology partner across Africa since 1997, and looked forward to continuing these relationships in pursuing 4IR in Africa.

“We have also partnered with more than 400 universities across Africa in giving training to more than 15 000 students,” he said.

In his address, Thang Nguyen-Quoc, economist at the OECD Development Centre, pointed out that the resources available for development in Africa had not kept up with population growth, and that due to the Covid-19 pandemic, eight African countries were already in debt distress.

He said foreign direct investment in Africa was set to fall by 25 to 40% due to the pandemic. However, said that digital investment offered far more effective returns than other sectors.

“Digital transformation is critical,” he said. “Compared to energy, ICT is cheap, and the benefits are real and immediate. It is critical that governments follow the right policies, ones that will attract more effective types of investments”

Dr Monyae concluded that for Africa’s digital advancement to come to fruition, it needed a global environment conducive to the continent’s development.

“For Africa to develop, it must have sovereignty,” he said. “However, there is no need to retreat from globalisation. Protectionism at global level won’t succeed, and it will not be good for the continent.”

“Africa need not be pro-Beijing or pro-Washington, but pro-development at all costs.”

 


Contactos

Tef: +258 21 313517/8

Email: opais@soico.co.mz
Local: Rua Timor Leste, 108 Baixa
Maputo- Moçambique