Uma alma por entre os segredos

...e feneceu, na fria e negra noite, numa das menos  perturbadas avenidas da cidade, ainda que não queiras acreditar, ensopado de sangue,  o académico -militar Gilberto  Lialiwa!

No tépido suor da sua marcha existencial debaixo do sol, Gilberto Lialiwa  cumprira algo difícil de ser cumprido pelos homens em África: redigir a sua autobiografia.

A flôr de Gilberto Vasco Lialiwa, reza a sua autobiografia, brota por entre as verdejantes gramíneas embalsamadas pelo salgado aroma das águas do Índico e pinceladas pelo amarelo-alaranjado da luz do sorridente sol, na turística localidade de chocas - mar.

Frequentado os estudos na histórica Ilha de Moçambique, tenta a vida, sem sucesso, na capital do norte, uma singela cidade com  segredos a desvendar, outros por legitimar a sua autenticidade, mais tradicional e populosíssima, supersticiosa e por essa razão, misteriosa. 

Uma vez que o emprego, naquela altiva cidade, resistia aos galanteios do pobre campesino,  vendo suas ilusões defraudadas e porque, como reza a gíria,  era uma águia que nascera para voar, ruma, de regresso as raízes, para se aconselhar na muchacha de um glorioso mukhulukana da localidade.

– Há uma escuridão que não me deixa ver a tua sorte. – Confessa o curandeiro que, debalde, vai  na sua terceira ou quarta tentativa de  diálogo com os espíritos. 

Tal imprecisão, na boca dum poderoso mukhwiri, nada mais  que duas revelações: ou o iminente triunfo na vida do jovem consulente ou,  fracasso, empurrado para as trevas do esquecimento.

Sentado numa cadeira que lhe pede remédios e iluminado por um candeeiro que vomita,  cobardemente, excessivo fumo, uma débil voz dentro de si, acerca-se-lhe, pé ante pé , tal qual  o caçador  prestes a espetar  a uma presa que, na sua digestão, conversa com o sono: 

– O que cá tu fazes?

–  Nada! – Defende-lhe outra voz dentro de si, aparentemente sufocada.

– E daí?

– Daí que nada.

– Arreda-se!

– Mas para onde?

– O caminho faz-se caminhando! – Sentença proferida. 

Saindo daquele encontro de diálogo consigo próprio, põe-se a rir mudamente e em seguida, às gargalhadas e o seu grito, aparentemente imperturbado, rasga o silêncio, numa noite em cuja chuva teimosa, em surdina, discute com o velho telhado de macuti

– De que te rias à meia da noite? - Indaga-lhe o pai, enquanto oceania ,  sua  impaciente embarcação de pesca artesanal, à beira-mar, os espera nervosa para com os seus corajosos remos, ferir as águas do além.

– Nada! – Replica  o mancebo enquanto os seus olhos, rogando descanso, digladiam-se com o horizonte.

– Cobardia é divorciar-se do destino. – Disse-lhe o velhaco em cujas rugas denunciam os estragos que os anos fizeram – Por isso vá, filho meu, que o destino encontrar-te-á galgando o caminho. Vês? Nestas águas do além, onde os deuses se embravecem sem dó e nem piedade, driblamos a vida driblando a morte; Vá conhecer novas terras e línguas, novos corações e  paixões.  

Itch – era uma tosse a anunciar-lhe soberbamente a chegada – é verdade papá; este mar da vida, cada qual é patrão do seu barco e pescador do seu destino.

Vai instruído no Centro de Preparação Básico-Militar  e  em seguida enviado aos treinos na especialidade de comando. Prossegue com os altos estudos militares e posteriormente, serve ao Comando do Exército, na cidade das acácias.

Este graduado da Academia Militar de Benghazi da extinta Líbia Khadafiana, não só aprendera a amar as armas. Cultivara no seu astucioso coração, profundo amor pelas mulheres.

Casara-se, o académico - militar,   com Julieta Tembe e são o fruto desta marital união, as  três filhas de sangue híbrido - frutos da união de um homem  macua e duma mulher ronga que, com ousadia e coragem, quebraram os muros de preconceitos etnolinguísticos e culturais para abraçar a uma valiosa e nobre causa. 

Aquando das suas exéquias fúnebres compareceu junto da mãe,  entre o abrasador calor de Setembro e copiosos choramingões, um rapazinho de rara beleza, fruto duma relação conjugal oculta, que em vida, Gilberto  Lialiwa mantinha por entre os segredos. 

Qual não foi o espanto de todos!

Aquele era seu filho de sangue e alma,  todo ele com os mesmos pedaços de carne deste finado soldado do exército.

A densidade demográfica feminina em África tornou-se tão alta que a um homem é-lhe discretamente autorizado a casar-se com  mais de uma mulher.

Não foi rejeitado!

Tratava-se dum homem, essa semente cada vez mais rara.  Um irmão  fazia falta as meninas daquele lar. Em  pura verdade, apesar de um tanto uníssono clamor das pequenas, a sua mãe, a inocente  dona Julieta Tembe, em cujas tentativas redundavam em fracassos, não as pudera brinda-las com um irmão.

O pagamento fora feito!

 Gilberto Lialiwa soubera articular o pedido, trazendo uma alma por entre os segredos.                                                                                  

                            

 


Contactos

Tef: +258 21 313517/8

Email: opais@soico.co.mz
Local: Rua Timor Leste, 108 Baixa
Maputo- Moçambique