Uma vida mais saudável para jovens com deficiência

Uma vida mais saudável para jovens com deficiência

Para os adolescentes, as questões da puberdade, da intimidade, dos relacionamentos, do amor, do sexo, da saúde reprodutiva, incluindo a contracepção, são complicadas. Para os jovens com deficiência, navegar neste terreno é muito mais difícil.

Por exemplo, Betty tem 26 anos e é natural do Uganda. Apesar de ter desafios físicos, ela tem também necessidade de saúde sexual e reprodutiva. O mesmo acontece com a maior parte das pessoas que sofrem de várias deficiências.
Como mulher jovem com desafios físicos, Betty diz que se sente sem apoio e incapaz de usufruir da sua saúde e dos seus direitos sexuais e reprodutivos.
Segundo ela: os “jovens com deficiência, especialmente as mulheres, enfrentam um triplo desafio”.

 “És marginalizado pela sociedade que vê a tua deficiência de forma negativa. Portanto, se és jovem com deficiência, és estuprada, és negligenciada. Em seguida, a sociedade responsabiliza-te por teres engravidado. Ninguém se quer identificar com uma rapariga grávida com deficiência”.

Kelvin, jovem zimbabweano de 24 anos, tem a mesma experiência. Nasceu com osteogenesis imperfecta (vulgarmente conhecida como doença dos ossos frágeis) e é seropositivo.
Segundo ele: “Somos marginalizados na comunidade. As pessoas acreditam que as pessoas com deficiência não têm desejo sexual e, pior do que isso, não temos acesso a informação ou a serviços”.

Desafio global
Entre 180 e 220 milhões de jovens de 10 a 24 anos, a nível mundial, vivem com deficiência mental, intelectual, física ou sensorial. Além disso, 20 milhões de mulheres ficam com deficiência anualmente resultante de complicações durante a gravidez ou parto, tal como, a fístula obstétrica.
Cerca de 80% das pessoas com deficiência vivem em países em desenvolvimento, com uma estimativa de 15% de africanos com deficiência moderada a grave.

Os jovens com deficiência têm três vezes mais probabilidade de sofrer violência física, sexual e emocional do que as pessoas sem deficiência.
A sua situação é exacerbada pelas leis, políticas e atitudes que são insuficientes para proteger a sua saúde e os seus direitos sexuais e reprodutivos.
Os jovens com deficiência representam, de forma evidente, um segmento da sociedade esquecido. Na maior parte dos casos, este é o grupo mais esquecido quando se trata do acesso a serviços básicos.
 

Acção colectiva
A responsabilidade dos jovens, incluindo os com deficiência, e as suas necessidades de saúde e direitos sexuais e reprodutivos são uma consideração multissectorial que envolve os Ministérios da Saúde, da Educação, da Juventude e da Previdência Social, além da sociedade civil, do sector privado, das organizações baseadas na fé e das universidades.

Permitir que os jovens com deficiência usufruam da sua saúde e dos seus direitos sexuais e reprodutivos, incluindo da sua capacidade de prevenir o abuso sexual, a gravidez precoce e a não desejada, o HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis ajudará, por sua vez, a garantir o usufruto de outros direitos, tais como à educação, a oportunidades económicas, à independência financeira e ao empoderamento social. Esta mensagem está destacada no Relatório do Estado da População Mundial de 2017, ‘Worlds Apart: Reproductive health and rights in an age of inequality’. O relatório descreve 10 acções para um mundo mais igual, incluindo a protecção social universal, que exige que todos tenham acesso a um rendimento básico seguro, que inclui maternidade, deficiência, filhos e benefícios semelhantes essenciais para o bem-estar.

Devido à lacuna no usufruto da saúde e dos direitos sexuais e reprodutivas dos jovens com deficiência na região da África Oriental e Austral, o FNUAP em parceria com a AID do Reino Unido, as Comunidades Económicas Regionais, tais como a SADC e a EAC, os governos, a sociedade civil e a participação activa de jovens com deficiência, elaborou orientações estratégicas regionais informadas por evidências que expandirão o acesso e a procura de informação e de serviços de saúde sexual e reprodutiva. Milhões de jovens com deficiência poderão, potencialmente, beneficiar.

Vários obstáculos em torno da concepção e implementação de soluções baseadas nas novas tecnologias estão também incluídos em grande parte da forma de pensar no FNUAP. Na sequência da revolução digital em curso, vários centros de novas TI e inovação estão centrados na concepção de soluções de mercado que tendem a excluir minorias e grupos marginalizados. Portanto, apoiar os jovens empresários no desenvolvimento de soluções inovadoras para os principais desafios da saúde e dos direitos sexuais e reprodutivos assumiu-se o desafio que enfrentam para o acesso.

O FNUAP, através da iniciativa de aceleração da inovação (iAccelerator), procura formas inovadoras para trabalhar com 15 start-ups de quatro países da África Oriental e Austral. A iniciativa beneficiará jovens empresários de populações marginalizadas, incluindo os jovens com deficiência, e dá também prioridade às soluções para os desafios enfrentados pelos grupos marginalizados, incluindo os YPD.

O desenvolvimento de iniciativas, juntamente com os governos, que desbloqueiam o poder das parcerias privadas e, em última instância, garantem uma vida mais saudável aos jovens com deficiência é parte fundamental do nosso compromisso.

Jamais viver com indignidade
A visão dos Objectivos do Desenvolvimento Sustentável (SDG) é garantir que ‘ninguém seja esquecido’. Se essa visão for para ser alcançada, devemos fazer mais para nos concentrarmos nos direitos, incluindo a saúde e os direitos sexuais e reprodutivos dos jovens com deficiência.
Segundo a Directora Executiva do FNUAP, Dra.

Natalia Kanem: “Todos os jovens devem ter acesso a educação sexual abrangente e aos serviços que necessitam para proteger a saúde, o bem-estar e a dignidade. Os jovens com deficiência deverão, nunca, ter que suportar o trauma da violência física, psicológica ou sexual, nunca”.

É responsabilidade de todos garantir que as pessoas que vivem com deficiência possam viver com dignidade e ter capacidade para usufruir dos seus direitos, incluindo os relacionados com o sexo, a sexualidade e a reprodução.


Contactos

Tef: +258 21 313517/8

Email: opais@soico.co.mz
Local: Rua Timor Leste, 108 Baixa
Maputo- Moçambique